Empresas públicas recorrem menos a serviços externos

  • Cristina Oliveira da Silva
  • 30 Novembro 2016

Setor da arquitetura e engenharia foi o mais solicitado por parte das empresas públicas, indica o Instituto Nacional de Estatística (INE).

Os Serviços Prestados às Empresas (SPE) continuam a ganhar terreno. Há mais empresas e mais trabalhadores ligados a este universo e o valor dos serviços prestados também cresceu. Mas as empresas públicas estão a recorrer menos a esta opção, enquanto as privadas viram aumentar a quota em 2015, indicam os dados publicados esta quarta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

Os SPE integram atividades informáticas, jurídicas, contabilidade, auditoria e consultoria, arquitetura e engenharia, ensaios e análises técnicas, publicidade, estudos de mercado e sondagens de opinião e, por fim, atividades de emprego.

“Em 2015, no conjunto dos setores dos SPE houve uma maior procura dos serviços por parte das empresas privadas que atingiram os 88,2% de quota, (+0,6 pontos percentuais que no ano anterior), por contrapartida da quota correspondente às empresas públicas”, que desceu de 8,7% em 2014 para 8,2% em 2015, indica o INE.

Mais uma vez, foi o “setor da arquitetura e engenharia” o “mais solicitado por parte das empresas públicas e apesar do decréscimo registado, 15,2% dos seus serviços prestados foram para este cliente”, continua. Já no setor privado, foram as atividades de emprego e da publicidade as mais requisitadas.

Serviços de emprego são os que mais crescem

Em 2015, os SPE abrangiam 108,5 mil empresas (mais 1,4% face a 2014), empregavam quase 351 mil pessoas (mais 5%) e prestaram serviços no valor de 13,2 mil milhões de euros (mais 2,5%). O Valor Acrescentado Bruto (VAB) gerado foi de quase 7,5 mil milhões de euros (mais 2%),

Os setores que mais contribuíram para o total da prestação de serviços foram os da Contabilidade, auditoria e consultoria e da Informática. Mas, pelo segundo ano consecutivo, foram as atividades ligadas a serviços de emprego as que mais cresceram, atingindo 1,4 mil milhões de euros.

E foi também esta atividade a responsável por 59% do aumento do pessoal ao serviço. O número de trabalhadores nesta atividade específica aumentou 10,7%, para cerca de 102,2 mil pessoas. “Com este aumento, as Atividades de emprego passaram a ser a atividade dos SPE com mais pessoal ao serviço (29,1% do total dos SPE), destronando o setor da Contabilidade, auditoria e consultoria que, em 2014, foi o mais empregador”, indica o INE.

O valor da prestação de serviços das atividades de emprego também avançou: o crescimento de 6,5% “foi sustentado pelos Serviços das empresas de trabalho temporário que, em termos absolutos, foram responsáveis pelo maior aumento observado em 2015: 94,9 mil milhões de euros”, revela o INE.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Empresas públicas recorrem menos a serviços externos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião