CGD: Acordo com Bruxelas mantém-se, garante Centeno

  • Lusa
  • 5 Dezembro 2016

O ministro das Finanças considera que os seus parceiros da zona euro têm uma posição “construtiva” sobre o Orçamento do Estado para 2017, mas admitiu haver “metas muito exigentes”.

O ministro das Finanças disse hoje, em Bruxelas, que não há “nenhuma razão” para se questionar o acordo com a Comissão Europeia sobre a recapitalização da Caixa Geral de Depósitos (CGD), até porque o novo presidente executivo “cumpre os requisitos”.

Em declarações aos jornalistas à margem de uma reunião de ministros das Finanças da zona euro, Mário Centeno referiu por diversas vezes que a questão da CGD, que “é um assunto doméstico”, não foi abordada na reunião de hoje, escusando-se por isso a fazer muitos comentários, mas garantiu que o processo de recapitalização deverá prosseguir como previsto, apesar da mudança da administração do banco, concretizada na passada sexta-feira, com Paulo Macedo a substituir António Domingues na presidência.

“Não temos nenhuma razão para duvidar desse acordo de princípio que foi assinado pela Comissão Europeia. É evidente que temos todos de estar comprometidos com esse processo. Ele é muito importante e foi um enorme sucesso para a economia portuguesa”, começou por referir o ministro, para de seguida acrescentar que a mudança de administração não deve de forma alguma colocar em causa o processo.

Segundo Centeno, “é evidente que o profissionalismo da administração da Caixa vai manter-se, foi essa a base principal do acordo feito com a Comissão Europeia, e nesse contexto obviamente o dr. Paulo Macedo cumpre os requisitos” estabelecidos para todo o processo.

Questionado sobre quando será conhecida a restante equipa que acompanhará Paulo Macedo na administração do banco público e ainda sobre as razões da demissão de António Domingues, insistiu que o assunto não foi abordado na reunião de hoje do Eurogrupo, pelo que preferia falar do Orçamento do Estado para 2017, o tema discutido ao longo da primeira sessão de trabalhos.

Centeno diz que Eurogrupo teve posição “construtiva” sobre Orçamento

“A posição do Eurogrupo face ao Orçamento português foi muito construtiva e positiva”, disse Centeno, que hoje debateu com os seus homólogos da zona euro o projeto orçamental português para o próximo ano e que teve por base os pareceres adotados pela Comissão Europeia em 16 de novembro passado.

No entanto, admitiu que há “metas muito exigentes”.

Mário Centeno indicou também, em declarações aos jornalistas, que “Portugal tem, neste momento, um conjunto de indicadores económicos muito positivos que vêm em crescendo, em aceleração desde o início do ano”, mas que não é totalmente refletido nesta avaliação do Eurogrupo.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CGD: Acordo com Bruxelas mantém-se, garante Centeno

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião