Macedo sobre CGD: “Está-se a trabalhar”

  • Cristina Oliveira da Silva
  • 5 Dezembro 2016

O nome escolhido para presidir à Caixa afirma que, quando houver "questões claras", serão comunicadas. Até lá, não quer alimentar "curiosidades".

Paulo Macedo foi parco em palavras na primeira declaração pública que fez depois de ter sido escolhido para liderar a Caixa Geral de Depósitos.

O que há a dizer é: está-se a trabalhar. E, portanto, quando houver questões claras, definitivas, concretas, comunica-se com certeza, como aliás o Ministério das Finanças já fez relativamente ao convite que me foi dirigido a mim e ao Dr. Rui Vilar. Até lá, não vale a pena, penso que concordamos todos, estar a alimentar nomes ou curiosidades, etc, porque a Caixa precisa de desenvolver o seu trabalho e de pôr em prática o plano que está aprovado e é nisso que nos devemos concentrar”, disse Paulo Macedo numa declaração transmitida pelas televisões.

Questionado sobre os elogios que foram feitos no domínio do combate à corrupção enquanto ministro da Saúde, Macedo afirmou que “é sempre positivo ter o trabalho reconhecido“. Há “opiniões positivas mas também já ouviram outras que são críticas”, indicou.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Macedo sobre CGD: “Está-se a trabalhar”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião