Passos Coelho: críticas à CGD não param com Macedo

O líder do PSD não vai parar as críticas ao processo de recapitalização da Caixa Geral de Depósitos por causa do novo presidente executivo ter sido ministro no seu Governo.

Paulo Macedo, ex-ministro da Saúde, é uma pessoa “muito sensata”, que não vai fazer revoluções. A avaliação é de Pedro Passos Coelho que, no entanto, alerta que não se sente condicionado por essa escolha do Governo. As críticas em relação à Caixa Geral de Depósitos, em específico aos salários, são para continuar.

Não sei se era essa intenção: ir buscar um ex-ministro meu para que o PSD deixasse de fazer observações sobre a Caixa…“, começou o líder da oposição, revelando logo de seguida que a nomeação de Paulo Macedo não impede o ex-primeiro-ministro de criticar, por exemplo, as remunerações da administração da CGD.

Apesar de reconhecer que não existe um “sistema que seja perfeito”, Passos Coelho argumenta que “as pessoas quando são contratadas não têm um preço de tabela, dependem do que representam no mercado”. E, por isso, deverá ser o preço de mercado, uma média dos últimos três anos, a ditar o futuro salário do gestor público em causa. Essa é a proposta que regressa à Assembleia da República esta terça-feira pela mão do Partido Social Democrata.

O líder da oposição sinaliza até que “o sistema pode ser melhorado” com a criação de duplos limites. “O limite do mercado e um limite estabelecido por um múltiplo das funções entre a própria instituição”, acrescentou Pedro Passos Coelho. No entanto, o líder do PSD ressalva que esta última opção pode levar a administração a fazer aumentos para justificar os seus salários, pelo que seria uma solução com perigos.

E Paulo Macedo deve ganhar o mesmo salário de António Domingues? “Julgo que não”, respondeu o líder do Partido Social Democrata, acrescentando que com a regra que o PSD quer que regresse o ex-ministro iria ganhar “muitíssimo menos”. Passos Coelho argumenta que “o Estado devia dar o exemplo de parcimónia do tratamento de dinheiros públicos” uma vez que vai meter dinheiro dos contribuintes na CGD.

Editado por Mónica Silvares

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Passos Coelho: críticas à CGD não param com Macedo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião