Já não precisa de ser o Cesar Millan para entender o seu cão

  • Juliana Nogueira Santos
  • 6 Dezembro 2016

Tratar de um cão seria bem mais fácil se eles nos pudessem dizer o que estão a sentir. Agora já podem.

O nosso dia-a-dia está cada vez mais dependente dos gadgets e das novas tecnologias: corremos com uma pulseira que mede o batimento cardíaco e a distância percorrida, controlamos a nossa casa através de um smartphone e chamamos um transporte com apenas um clique. A “internet das coisas” tem-se estendido a todos os aspetos da nossa vida e chegou agora ao bem-estar dos nossos cães, sob a forma de wearables.

A KYON Pet Tracker é um sistema inteligente que promete dar voz — ou pelo menos ecrã — às necessidade dos nossos “melhores amigos”. O sistema é composto por uma coleira com autonomia de 30 dias, uma dock station e uma aplicação móvel que, em conjunto, medem e identificam vários fatores que influenciam tanto a saúde como o mood, para que o dono saiba sempre o que se está a passar com o seu animal.

A coleira inteligente reúne uma série de sensores que são aplicáveis em diversas situações:

  • Acelerómetro, para medir a atividade e o mood do animal. Se estes forem menores que o normal, o dono é notificado que o animal está triste ou pode estar a fica doente.
  • Sensor de calor, que mede a temperatura exterior e avisa quando está demasiado calor ou demasiado frio.
  • Sensor de humidade, para o caso de o cão cair numa massa de água e estar em risco de afogamento.
  • Localizador GPS com altímetro, para uma localização precisa do animal.

Uma das características mais inovadoras é a presença de um emissor de ultrassons que permite o funcionamento de duas ferramentas que vão mudar vidas: um pacificador e um silenciador. Assim, o dono pode ativar a emissão de um ultrassom sempre que o animal esteja prestes a entrar numa luta com outro animal ou quando este não pare de ladrar. O pacificador e o silenciador têm também um modo automático, o primeiro que deteta a presença de animais de raças incompatíveis e previne lutas e o segundo que ativa o microfone da dock station e identifica latidos, para que quando o cão fique sozinho em casa não incomode os vizinhos.

Todos as modificações de estado, além de desencadearem uma notificação no smartphone do dono esteja onde ele estiver, ativam uma mensagem luminosa num ecrã LED presente na coleira que mostra exatamente o que se está a passar com o cão — “Estou com frio”, “Estou perdido, liguem ao meu dono”, entre outras.

A aplicação inclui também um calendário onde se podem registar eventos de vida ou simples idas ao veterinário e um histórico de passeios com lembretes, para que nunca se esqueça de levar o cão à rua.

Esta é uma ideia original da startup grega Kyon e já está disponível para pré compra no site oficial. Ainda assim, este não estará ao alcance de todos os pescoços, visto que custa 249 dólares sem impostos nem custos de envio. A este valor acresce uma mensalidade de 4,99 dólares para a utilização de rede celular para situações em que o animal não está no alcance nem da dock station, nem do telemóvel.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Já não precisa de ser o Cesar Millan para entender o seu cão

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião