Juros da dívida caem com mais estímulos do BCE à vista

Yields soberanas nacionais são as que mais aliviam entre os países periféricos. Taxa a dez anos recua oito pontos base, para os 3,62%.

O dia está a ser marcado pela descida dos juros da dívida soberana um pouco por toda a Europa, após o agravamento registado na última sessão no seguimento do “Não” ao referendo constitucional em Itália e a demissão do primeiro-ministro Renzi. O alívio das yields soberanas acontece a escassos dias da última reunião do ano do BCE, ocasião em que os analistas antecipam seja alargado o programa de compra de ativos por parte da entidade liderada por Mario Draghi.

Quase todos os economistas sondados pela Bloomberg antecipam que o presidente do BCE anuncie na próxima quinta-feira um prolongamento, para além de março de 2017, do programa mensal de compra de obrigações na ordem dos 80 mil milhões de euros. Uma grande maioria antevê uma extensão desse programa por um prazo de seis meses, até setembro de 2017.

Yields portuguesas a 10 anos

Fonte: Bloomberg (Valores em percentagem)
Fonte: Bloomberg (Valores em percentagem)

As maiores descidas são percetíveis nas yields soberanas dos países periféricos, em especial dos juros nacionais. A taxa de juro lusa a dez anos recua 8,3 pontos base, para 3,62%. Por sua vez, no mesmo prazo, registam-se quebras de 5,4 e 4,7 pontos base nas yields a dez anos de Espanha e Itália, respetivamente, que baixam para 1,498% e 1,937%.

A dívida soberana germânica é a grande exceção a esse movimento de alívio. As bunds a dez anos agravam dois pontos base, para os 0,353%, em sintonia com o movimento das restantes maturidades.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Juros da dívida caem com mais estímulos do BCE à vista

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião