FMI diz que Portugal continua vulnerável a choques

Na quinta visita pós-troika, o Fundo diz que no curto prazo as coisas correm bem. A médio prazo, nem por isso.

O Fundo Monetário Internacional (FMI) está otimista para os próximos meses e considera que os objetivos orçamentais para este ano estão ao alcance do Governo de António Costa.

Apesar de ter metas mais conservadoras para o PIB e para o défice orçamental, o Fundo sublinha como positivo o crescimento da economia no terceiro trimestre (1,6% face ao ano passado), mas avisa que “será preciso uma continuação de um forte crescimento” para se “poder concluir que a economia inverteu para um caminho de uma recuperação sustentada”.

Para o médio prazo, o instituto, com sede em Washington, já não é tão otimista. Refere que a economia portuguesa “continua vulnerável a riscos, devido à elevada dívida pública e privada”, à “contínua debilidade do setor bancário e à persistente rigidez estrutural”.

Este cenário, de acordo com o FMI, “obriga as autoridades a fazer esforços ambiciosos para melhorar a resiliência do setor bancário, garantir uma consolidação orçamental duradoura e aumentar o potencial de crescimento da economia”.

Nas previsões do Fundo, o PIB deve crescer 1,3% este ano e no próximo, abaixo dos 1,6% conseguidos em 2015. Para o endividamento, o Fundo prevê que o rácio da dívida pública sobre o PIB aumente de 129% em 2015 para os 130,8% este ano, devendo registar uma correção para os 129,9% no próximo ano.

O que fazer para aumentar o potencial da economia?

No balanço da quinta avaliação após o programa de resgate, o FMI deixa alguns conselhos para melhorar o desempenho da economia a médio e longo prazo.

Aumentar o potencial da economia a longo prazo exige reformas estruturais. As medidas devem focar-se em promover uma eficiente alocação de recursos, que possa levar à criação de emprego e à melhoria da competitividade da economia”, lê-se no relatório do Fundo.

Alerta ainda para a necessidade de Portugal ter “um mercado laboral flexível, onde os aumentos salariais estejam alinhados com o aumento da produtividade”.

O Governo está nesta altura a discutir com os parceiros sociais o aumento do salário mínimo, tendo em cima da mesa uma proposta de subida dos atuais 530 euros para os 557 euros, o que a acontecer implicaria um aumento de 5%.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

FMI diz que Portugal continua vulnerável a choques

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião