Esperança, inveja, sorte. A cor da Pantone para 2017 é isto tudo e muito mais

  • Ana Luísa Alves
  • 9 Dezembro 2016

A Pantone revelou esta quinta-feira qual é a cor do próximo ano. Para uns vai ser a cor da esperança, para outros da inveja, ou mesmo da sorte.

00-holding-greenery-pantone-color-of-the-year

Quantas coisas à sua volta são verdes? A parede do quarto? As meias que calçou? Então saiba que o verde é a cor escolhida pela Pantone como a cor do próximo ano.

O Instituto de Cor Pantone anunciou esta quinta-feira que a cor do próximo ano é o verde. Desde o ano 2000, ano em que esta seleção de cores começou a ser feita, ficou provado que a cor anunciada se tornou bastante influente ao nível da moda, decoração, e nas tendências seguidas em áreas como a arquitetura e o design.

“O processo de escolha foi baseado mais em palpites do que em dados científicos”, avança a Vogue americana. A escolha deste ano, segundo a Vogue, pode dever-se ao “verde inveja” pela era de Barack Obama que Donald Trump encerra, à preocupação com o ambiente, ou até mesmo à cor do pinheiro de Natal que, em milhares de casas por todo o mundo foi montado por estes dias. O consenso parece estar em torno da esperança, neste caso o “verde esperança”, e Leatrice Eiseman, diretor executivo da Pantone, confirmou esta ideia, e acrescentou que verde é o mood com que 2017 deve chegar.

Segundo o site da empresa norte-americana, os motivos da escolha podem ainda ser outros: verde é a cor dos primeiros dias da primavera quando a “natureza renova a sua energia e renasce”, e a cor neutra do ambiente e da beleza natural. Há cada vez mais coisas verdes à nossa volta: nos edifícios, nas arquitetura, no estilo de vida e nas escolhas de design, a nível global.

Por aqui, o verde também é sinal de novos começos. E o ECO é exemplo disso.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Esperança, inveja, sorte. A cor da Pantone para 2017 é isto tudo e muito mais

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião