Sean Rad já não é CEO do Tinder

O controverso criador do Tinder deixa a liderança da aplicação pela segunda vez, mas não sai do grupo que a detém. Ficará responsável pela Swipe Ventures, uma nova capital de risco.

Sean Rad já não é presidente executivo do Tinder. É a segunda vez que abandona o cargo, mas não abandona o Match Group, detentor da aplicação de encontros: vai liderar uma capital de risco, a Swipe Ventures, cujo objetivo é adquirir outras firmas para ajudar o negócio da aplicação. A notícia foi avançada ao final desta quinta-feira pela Business Insider.

De acordo com o jornal, o agora ex-presidente executivo será substituído por Greg Blatt, que também é presidente executivo do Match Group. Apesar de encabeçar a nova capital de risco do grupo, Sean Rad não deixará o cargo de chairman da aplicação. Assim, continuará a ter um papel de relevo nos destinos e na estratégia do Tinder.

“No sentido de fazer a companhia crescer, ou pelo menos onde eu posso acrescentar valor, é em começar a ver outras companhias para as comprar e expandir a nossa pegada”, disse Sean Rad à Business Insider. A ideia é copiar o que tem sido feito por empresas como a Google, o Facebook e o Snapchat, com um objetivo em mente: facilitar amizades e “conectar pessoas”.

Em novembro Sean Rad esteve em Lisboa, no palco principal do Web SummitWeb Summit/Flickr

Recorde-se que Sean Rad foi um dos criadores da aplicação. Em 2015, abandonou pela primeira vez o cargo de presidente executivo. A causa apontada na altura foi o processo por assédio sexual instaurado ao Tinder por Whitney Wolfe, uma das cofundadoras da plataforma.

Wolfee já tinha processado Justin Mateen — outro dos fundadores do Tinder e alegadamente, ex-namorado de Wolfe — e o próprio Sean Rad em 2014. Alegou, igualmente, assédio sexual e que os dois a tinham afastado da liderança da aplicação por ser mulher. Em causa, um complicado novelo de acusações que Mateen e Rad sempre negaram.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Sean Rad já não é CEO do Tinder

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião