Escola dos EUA promete ensinar a esquiar em três dias

  • Bloomberg
  • 13 Dezembro 2016

Formação em escola norte-americana promete o que à partida pode parecer impossível: esqui em três dias.

“Você fuma?”, pergunta Ali MacGrain, com o seu sotaque escocês. Estamos de pé sobre os esquis, no meu caso com certa instabilidade, numa manhã ensolarada num flanco mais baixo do Northstar California Resort. MacGrain ensina a esquiar aqui e, embora seu sotaque não se encaixe no meu modelo de guru do esqui de Sierra Nevada, aos 35 anos ele já deu aulas em 39 invernos, migrando entre os hemisférios Norte e Sul. Ele é certificado como instrutor Nível III, o mais alto possível, tanto pela Professional Ski Instructors of America quanto pela New Zealand Snowsports Instructors’ Alliance, e hoje basicamente ensina e testa outros instrutores.

Eu decidi que precisava de alguns dias de instrução intensiva para aprender o básico. A Northstar aparece em alguns rankings das “melhores escolas de esqui”. A revista Men’s Journal classificou-a como “a escola de esqui do futuro” e a Outside Magazine apontou-a como um dos melhores lugares para famílias, em parte graças ao terreno “convidativo”, que tem uma grande parcela de nível intermediário.

O que mais me intrigava eram os instrutores, que, pelo que li, usam uma abordagem própria chamada Terrain Based Learning, ou “aprendizagem baseada no terreno”, com “acostamentos esculpidos” que permitem que os novatos experimentem com segurança a velocidade e a inclinação. Eu fiz uma reserva para três dias no início de março.

snow-1246300_960_720

Essa é a razão pela qual me vejo agora a subir o teleférico numa cadeira de tamanho infantil e, numa montanha de pouca inclinação na companhia de MacGrain, respondendo-lhe que não, eu não fumo.

“Mas você lembra-se como se apaga um cigarro, certo?”, pergunta.

Esse, explica ele, é o movimento no qual tenho que pensar, pressionando para baixo e girando os pés durante as minhas voltas. Ao tentar descer a encosta sob a orientação dele, eu caio de rabo uma e outra vez e descubro que, enquanto antes os meus esquis ficassem presos na neve que removiam, agora começo a virar e depois a deslizar, primeiro para a minha direita e depois, gradualmente, para a minha esquerda, o meu lado mais fraco.

A abordagem de MacGrain baseia-se na Psicologia, na Física, na Fisiologia, e em tentativa e erro. E ele claramente pensou muito a respeito de como as pessoas aprendem para fazer com que o corpo delas realize coisas não intuitivas. As dicas dele são mentalmente digeríveis, de tal forma que depois de eu me concentrar nelas por uma volta ou duas, elas tornam-se instintivas. Só depois disso o professor oferece a dica seguinte.

No último dia, MacGrain leva para o que ele promete ser algumas das pistas azuis mais difíceis da Northstar. Do alto da montanha, o Lago Tahoe aparece por entre as nuvens. Nós damos algumas voltas descendo uma pista larga pontilhada de abetos e pinheiros. Cuidadosamente, com uma absoluta falta de estilo, eu faço slalom em torno deles. É emocionante.

As aulas particulares Platinum Primo custam a partir de 940 dólares por dia para até três pessoas, e 100 dólares para cada pessoa adicional.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Escola dos EUA promete ensinar a esquiar em três dias

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião