35 horas: PSD pede estudo, ministro promete entrega para breve

  • Cristina Oliveira da Silva
  • 14 Dezembro 2016

Ministro das Finanças está a ser ouvido na comissão parlamentar do Trabalho.

O ministro das Finanças garantiu hoje que vai apresentar em breve o estudo sobre as 35 horas na Administração Pública, depois de o PSD ter levantado este assunto na comissão parlamentar do Trabalho e Segurança Social. “É verdade que esse estudo não foi ainda divulgado mas vai ser muito brevemente“, afirmou Mário Centeno.

Na primeira ronda de perguntas, o PSD, pela voz do deputado Álvaro Batista, salientou que o Orçamento do Estado admite que existe esta avaliação e acusou o Executivo de infringir a lei ao não divulgar o estudo, perguntando: “Em quem devemos acreditar? No ministro das Finanças que diz aos contribuintes que têm de cumprir a lei” ou no ministro “que não a cumpre”?

Centeno indicou que houve “pressões” em três setores específicos (saúde, educação e justiça) e que “foram assumidos compromissos em cada uma dessas áreas para suprir essas necessidades”. No entanto, destacou, a execução orçamental fica “abaixo daquilo que estava previsto no Orçamento do Estado”.

“Mês após mês, se formos observar, o crescimento em termos homólogos da despesas com remunerações certas e permanentes tem vindo a desacelerar”, acrescentou o ministro. Ainda assim, ao contrário do que aconteceu em 2015, salientou Mário Centeno, este ano os professores “foram contratados a tempo” e as escolas estavam prontas a funcionar em setembro — por isso, o emprego cresce nesse mês em termos homólogos, avisou.

O governante fez ainda questão de sublinhar que o Executivo anterior também não entregou nenhum documento que justificasse a poupança prevista de 200 milhões de euros quando aumentou o horário do trabalho para 40 horas no Estado. “Pelo contrário, nos meses seguintes” houve um aumento das horas extraordinárias e, uns meses depois, o emprego publico aumentou “de forma muito notória” nos primeiros nove meses de 2015, disse.

Já sobre a redução de pessoal no Estado, Centeno salientou que o número de aposentações até novembro “são muitíssimo inferiores” face à estimativa de “15 mil aposentados”. E isso reflete-se “na rotação e no fluxo de entrada e saída” na Administração Pública. Porém, o diferencial entre novas entradas e o saldo de mobilidade e outras situações é “muito próximo” do rácio do “dois por um”, afirmou. “Consideramos que isto cumpre aquilo” a que no “comprometemos no Orçamento do Estado e no programa de estabilidade”, referiu Centeno.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

35 horas: PSD pede estudo, ministro promete entrega para breve

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião