Crédito ao consumo continua acima dos 500 milhões mensais

Em 2016, os portugueses já foram buscar à banca quase cinco mil milhões de euros para crédito ao consumo. Mais 18% do que no ano passado.

Os portugueses continuam a apostar em força no recurso ao crédito ao consumo. Os últimos dados do banco de Portugal divulgados esta quinta-feira mostram que apesar de, em outubro, ter ocorrido um ligeiro decréscimo nos montantes da nova concessão de crédito aos consumidores, esta se manteve acima da fasquia dos 500 milhões de euros mensais. Ou seja, próximo de máximos.

No total, em outubro, os bancos e as instituições de crédito especializado concederam 512 milhões de euros com essa finalidade. Um valor que fica ligeiramente aquém (-0,34%) face aos 514 milhões de euros que tinham sido disponibilizados no mês anterior, mas próximo do máximo de 537 milhões de euros verificados em março deste ano.

Concessão mensal de crédito ao consumo

Fonte: Banco de Portugal (valores em milhares de euros)
Fonte: Banco de Portugal (valores em milhares de euros)

A ligeira quebra registada em outubro, resultou do decréscimo da nova concessão de crédito pessoal. A maior quebra ocorreu no crédito com finalidade de educação, saúde, energias renováveis e locação financeira de equipamentos. Nesse mês, foram concedidos 5,6 milhões de euros em empréstimos com essa finalidade, menos 21% face aos 7,1 milhões disponibilizados em setembro. De salientar que setembro é o mês de regresso à escola e em que as despesas com material escolar assumem um pico. Já a finalidade de outros créditos pessoais, sem finalidade específica, registou uma diminuição de 0,36%, passando de perto de 231 milhões, em setembro, para quase 230 milhões, em outubro.

As restantes categorias de crédito apresentaram uma ligeira tendência de crescimento. O financiamento disponibilizado através dos cartões de crédito, linhas de crédito, contas correntes e finalidades de descoberto subiram 0,63%, entre setembro e outubro, para se fixarem em quase 85 milhões de euros. Já o automóvel manteve-se quase inalterado, com 191,7 milhões de euros de financiamento prestado em outubro.

A quebra ligeira do crédito aos consumidores, em outubro, representa uma “migalha” naquela que é a tendência global de crescimento. Nos primeiros dez meses de 2016, os bancos e as instituições de crédito especializado disponibilizaram perto de cinco mil milhões de euros (4.812 milhões) em empréstimos para consumo. Este valor representa um crescimento de 18%, face aos valores disponibilizados no mesmo período do ano passado.

O aumento do crédito aos consumidores registado este ano, à semelhança do que aconteceu no ano passado, tem sido alimentado sobretudo pelo crescimento do financiamento automóvel, mas também do crédito pessoal sem finalidade específica.

Nos primeiros dez meses deste ano, foram disponibilizados 1,8 mil milhões de euros em empréstimos para a compra de carro: 26% acima dos valores cedidos em igual período de 2015. Já no crédito pessoal sem finalidade, os valores disponibilizados até outubro deste ano ascendem a mais de dois mil milhões de euros (2.075 milhões): mais 155 do que no mesmo período de 2015.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Crédito ao consumo continua acima dos 500 milhões mensais

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião