EUA: Bancos precisam de mais 70 mil milhões

  • Rita Atalaia
  • 15 Dezembro 2016

Alguns dos maiores bancos dos EUA precisam de mais 70 mil milhões para fazerem frente a um possível colapso. Apesar de elevado, o valor fica abaixo dos 120 mil milhões registados em outubro de 2015.

Alguns dos maiores bancos de Wall Street precisam de mais 70 mil milhões de dólares para suportarem um eventual colapso. Em outubro de 2015, o valor era quase o dobro, o que mostra que o setor está mais robusto.

Os oito maiores bancos dos EUA precisam de criar almofadas de capital constituídas por dívida de longo prazo que possa ser convertida em ações no caso de falência, de acordo com regras aprovadas hoje pelos reguladores da Reserva Federal dos EUA. Segundo o banco central, são quatro os bancos, sem referir quais, que precisam de cerca de 70 mil milhões de dólares para suportarem um colapso. Um valor que compara com os 120 mil milhões registados em outubro do ano passado.

“Esta exigência significa que os contribuintes vão ficar mais protegidos, porque os maiores maiores terão de pré-financiar os custos da sua própria falência”, explica a presidente da Fed, Janet Yellen, citada pela Bloomberg. Esta regra tem como objetivo impedir uma repetição da crise no setor financeiro, em 2008, ao garantir que as maiores empresas conseguem absorver mais perdas — mesmo depois de falirem.

Os bancos têm até 1 de janeiro de 2019 para cumprirem esta regra. Os bancos podem optar por emitir dívida para reforçarem as almofadas, como aconteceu no ano passado. E os investidores que compram a dívida sabem desde o início que serão sujeitos a perdas caso o banco entre em insolvência.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

EUA: Bancos precisam de mais 70 mil milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião