Bancos nacionais estão piores que os europeus? Sim

Autoridade Bancária Europeia fez um retrato ao setor financeiro europeu. Portugal saiu bem na fotografia? Nem por isso.

Rácios de capital aquém da média europeia, crédito em risco de incumprimento em alta com reduzido nível de cobertura face às perdas potenciais. É nos balanços dos bancos onde se tem procurado resolver a sustentabilidade e resistência do sistema financeiro europeu. No último retrato da Autoridade Bancária Europeia (EBA, sigla inglesa), Portugal não saiu bem na fotografia. Ainda assim, há bancos portugueses melhores do que outros. Ou numa perspetiva mais realista, há bancos piores do que outros. Como compara o sistema financeiro português com a realidade europeia?

Pecado capital

No último retrato feito ao sistema bancário europeu, com dados até 30 de junho deste ano, os bancos portugueses apresentavam maiores fragilidades de capital do que a média dos bancos europeus: enquanto a média nacional apontava para um rácio Common Equity Tier 1 (CET 1) de 11,18%, na Europa essa média era relativamente mais robusta, de 13,64%. O que nos diz este rácio?

São estes os rácios que as autoridades analisam para aferir a robustez de uma instituição num cenário de adversidade económica: comparam os capitais (valor das ações, lucros retidos) da instituição face aos ativos ponderados pelo risco (em grande medida compostos por empréstimos) para verificar se um banco se mantém de pé em caso de crise económica e financeira aguda. Quanto mais baixo estiver o rácio, mais desprotegido está o banco. No caso de Portugal, a Caixa Geral de Depósitos e o Montepio apresentavam rácios ligeiramente acima de 10%.

Fonte: EBA (Valores em percentagem)
Fonte: EBA (Valores em percentagem)

Basileia III estabelece que todos os bancos devem ter um rácio mínimo de 4,5% até 2019 em qualquer cenário económico. Nos últimos testes de esforço à banca, a CGD chumbou quando foi colocada na situação mais adversa, com os rácios a ficarem aquém do exigido, segundo avançou o Jornal de Negócios em setembro, adiantando que o banco público precisaria de 2.000 milhões de esforço de capital adicional para cumprir os rácios.

Alternativamente, os bancos podem melhorar a sua posição financeira através da redução dos ativos mais arriscados. Como por exemplo, a venda de carteiras de crédito malparado. O Governo está a estudar a criação de um veículo para resolver este problema como forma de aliviar o peso destes ativos tóxicos sobre os bancos.

Um caso mal parado

Há muito que está identificado o principal problema dos bancos: crédito malparado, ou o conjunto de empréstimos cujo reembolso da parte do banco é encarado como difícil (ou impossível). Em teoria, o malparado aumenta quando as condições económicas de um país se agravam: mais empresas fecham portas, há mais desemprego. Consequência? Empresas e famílias ficam em dificuldades para pagar as dívidas.

Em Portugal, o malparado da banca atingiu aproximadamente os 40 mil milhões de euros, representando pouco mais de 20% do total de crédito concedido, refletindo os últimos anos de grave crise económica no país durante o período de assistência financeira internacional. A média europeia era de 5,4%.

Fonte: EBA (Valores em percentagem)
Fonte: EBA (Valores em percentagem)

Entre os bancos nacionais, o BPI era quem mais se aproximava da média da banca europeia: ‘apenas’ 8,16% do crédito estava em risco. Do lado oposto, o Novo Banco registava no final do primeiro semestre um nível de malparado na ordem dos 36%, o maior nível entre os bancos portugueses. Não é estranho que seja António Ramalho, CEO do Novo Banco, um dos maiores entusiastas de uma solução conjunta para o crédito em risco de incumprimento.

A CGD apresentava o segundo nível de malparado mais baixo (16,6%) entre os bancos portugueses na análise da EBA. Mas esse valor deverá disparar neste segundo trimestre com o maior reconhecimento de empréstimos que dificilmente deverá reaver.

Imparir, imparir, imparir

Os bancos portugueses podem estar aquém da média europeia quando se fala em rácio de cobertura, isto é, a quantidade de dinheiro que os bancos têm de pôr de lado para cobrir riscos do malparado. Mas é pouco razoável comparar o nível de esforço que as instituições portuguesas tiveram de realizar para se protegerem de níveis de malparado na ordem dos 20%, quando os bancos europeus têm pela frente um nível de malparado manifestamente mais reduzido, de 5%.

De acordo com a informação prestada à EBA, os bancos portugueses tinham constituído mais de 17 mil milhões em imparidades até final de junho deste ano. Este valor cobria 41,2% do total do malparado. Na Europa, o rácio de cobertura estava nos 43,8%.

Fonte: EBA (Valores em percentagem)
Fonte: EBA (Valores em percentagem)

Novo Banco e CGD eram as instituições financeiras nacionais que evidenciavam maior esforço para se precaver dos créditos problemáticos. No caso do banco público, parte do dinheiro da recapitalização de 5,1 mil milhões de euros será canalizado para cobrir estes riscos, à medida que vão sendo reconhecidos maiores níveis de malparado. Já o BCP era o banco com menor grau de cobertura sobre o malparado.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Bancos nacionais estão piores que os europeus? Sim

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião