Crédito malparado é um dos maiores riscos para a estabilidade da banca

Entre as empresas não financeiras, o crédito em risco de incumprimento representa cerca de 21% do total concedido.

Os quase 18 mil milhões de euros de créditos em risco de não serem pagos continuam a ser uma das maiores ameaças à estabilidade financeira dos bancos nacionais, apesar dos esforços de constituição de imparidades que têm sido feitos para cobrir estes riscos.

A conclusão consta da última edição do Relatório de Estabilidade Financeira, publicada esta quarta-feira pelo Banco de Portugal, que salienta que “os atuais níveis de non-performing loans constituem um risco para a estabilidade financeira, dados os seus impactos adversos sobre a rendibilidade, solvabilidade e nas condições de acesso ao mercado das instituições mais afetadas“.

"[Os créditos em risco] constituem um entrave à geração de resultados.”

Banco de Portugal

Relatório de Estabilidade Financeira

“Ao nível da rendibilidade, o facto de estes créditos gerarem um rendimento significativamente inferior ao inicialmente contratualizado, ou mesmo nulo, bem como a necessidade de reconhecimento de perdas por imparidade associadas a estas exposições devido à redução das expectativas de recuperação dos valores em dívida, constituem um entrave à geração de resultados“, refere ainda o relatório.

O caso mais preocupante é o das empresas não financeiras, entre as quais o crédito em risco de incumprimento já representa cerca de 21% do total de crédito concedido. Já no crédito concedido a particulares para habitação, o cenário está “estável desde 2011%”, com o crédito em risco a representar cerca de 6% do total.

No final de setembro, o crédito malparado totalizava cerca de 17,8 mil milhões de euros, representando 9% do total dos empréstimos concedidos pela banca.

A acompanhar a evolução do malparado está o esforço dos bancos para reduzir o impacto do mesmo. “O esforço de constituição de imparidades realizado pelos bancos prosseguiu no primeiro semestre, em linha com o observado nos últimos anos. Este reforço foi particularmente significativo no segmento das sociedades não financeiras, onde os níveis de materialização do risco de crédito são mais elevados”. Neste segmento, o rácio de cobertura atingiu os 73,6% do crédito em risco no primeiro semestre. No crédito a particulares para habitação, a cobertura foi de 36,6% do crédito em risco.

"O setor bancário enfrenta desafios de natureza diversa, num período de transição para um quadro regulamentar mais exigentes e condições económicas adversas.”

Banco de Portugal

Relatório de Estabilidade Financeira

Apesar dos “níveis elevados” de crédito em risco, há “sinais de estabilização“, ressalva o regulador da banca, sobretudo graças a este aumento “substancial” dos rácios de cobertura.

Ainda assim, reconhece, “o setor bancário enfrenta desafios de natureza diversa, num período de transição para um quadro regulamentar mais exigente e condições económicas adversas”. Entre os desafios está a “persistência dos baixos níveis de taxas de juro“, a inexistência de uma “retoma sustentada da atividade económica” e a “incerteza em torno do contributo da atividade internacional“.

Neste contexto, “a recuperação da rendibilidade dos bancos portugueses terá de passar, necessariamente, por um controlo adequado do risco de crédito e por esforços adicionais de racionalização de custos“, reforça o Banco de Portugal.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Crédito malparado é um dos maiores riscos para a estabilidade da banca

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião