Faria de Oliveira diz que há investidores em bancos que não seriam os mais desejados

  • Lusa
  • 23 Novembro 2016

O presidente da Associação Portuguesa de Bancos reconhece, ainda assim, que o fundamental é garantir que os bancos tenham "acionistas fortes".

O presidente da Associação Portuguesa de Bancos considera que o setor está a atrair investidores que não seriam os mais desejados. Faria de Oliveira preferia investimento de países desenvolvidos, mas considera que o importante é garantir que os investidores são credíveis.

Temos de encontrar soluções para recapitalizar a banca portuguesa e sem recorrer a contribuintes. Daí os bancos estarem por si a reestruturar-se para melhorar as suas condições operativas e a procurarem atrair investidores que não são os que muitos desejaríamos, mas que são os investidores que, por várias razões, se interessam” pelos bancos portugueses, disse Fernando Faria de Oliveira, num debate, que decorreu na terça-feira, sobre O Futuro da Banca, no Instituto Superior de Engenharia e Gestão (ISEG), em Lisboa.

O presidente da da associação que representa os principais bancos falava depois de o professor universitário João Duque, um dos participantes do debate, ter questionado o interesse dos investidores em bancos europeus, e especialmente portugueses, quando é cada vez menor a rentabilidade dos capitais investidos.

Provavelmente, a Fosun [que se tornou este fim de semana acionista do BCP] tem uma lógica diferente. Os modelos [de negócio] das universidades ocidentais não funcionam provavelmente para um investidor chinês entrar em Portugal. Relevam provavelmente outros aspetos que nós não relevamos”, afirmou o economista, considerando que no investimentos de alguns países emergentes no setor financeiro português há uma “lógica de atuação estratégica” que parece diferente da lógica puramente mercantil.

Já Mira Amaral, que foi até recentemente presidente do angolano Banco BIC, considerou que não há “em Portugal capacidade para acudir às necessidades dos bancos” em termos de capital, pelo que se nota uma predominância de capitais estrangeiros, sejam de Espanha, de Angola, sobretudo enquanto tiveram “petróleo em alta”, e agora de chineses.

Para Mira Amaral, importante é que o setor financeiro português “não fique preso numa só geografia”, para não ser atingidos por dificuldades internas dessa região.

Já mais no fim do debate, o presidente da APB disse que o fundamental é garantir que os bancos tenham “acionistas fortes”, com estratégia e capacidade para injetar capital em caso de necessidade.

“Gostaríamos que fossem mais bancos ou investidores europeus a participar nos bancos portugueses, a nossa tendência é orientarmo-nos para os países mais desenvolvidos do mundo. Mas o que me parece essencial é tomar atenção a quem são investidores e assegurar a reputação e que são credíveis”, afirmou.

Entre os principais bancos portugueses, o maior é a Caixa Geral de Depósitos, que é totalmente detida pelo Estado.

Já o BCP posiciona-se como o maior banco português, tendo como principais acionistas o grupo chinês Fosun e a petrolífera angolana Sonanol. Também o banco espanhol Sabadell, o Grupo EdP e o Grupo Interoceânico têm posições de referência no banco.

O Novo Banco (o banco de transição do ex-BES) é para já detido pelo Fundo de Resolução bancário (gerido pelo Banco de Portugal), estando a decorrer um processo de venda.

Os nomes dos candidatos não foram revelados publicamente, mas, segundo a imprensa, são os bancos BCP e BPI e os fundos Apollo/Centerbridge, em parceria, e Lone Star, que apresentaram propostas no âmbito do processo de venda direta, enquanto a ?holding’ China Minsheng se propõe ser acionista do Novo Banco através da opção de venda em mercado.

O BPI tem como principais acionistas o espanhol Caixabank e a ‘holding’ angolana Santoro, estando em curso uma Oferta Pública de Aquisição (OPA) do Caixabank para ficar com a totalidade do capital social.

Por fim, o Santander Totta é totalmente detido pelo espanhol Santander.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Faria de Oliveira diz que há investidores em bancos que não seriam os mais desejados

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião