Bancos na City querem cinco anos de leis da UE no pós-Brexit

  • Marta Santos Silva
  • 9 Dezembro 2016

May já tinha posto de parte tratamentos especiais para a banca, mas um documento preparado por firmas de advogados mostra que os bancos multinacionais continuam a querer exceções.

O processo do Brexit ainda nem começou mas uma das grandes questões já se solidificou: o que vai acontecer à City, o bairro londrino onde a maior parte da banca internacional tem o seu pé na Europa? Entre ameaças de saída de Londres e tentativas de sedução por outros países europeus, um novo documento a que a agência Reuters teve acesso mostra que os gigantes da banca ainda esperam ter benefícios.

Os grandes bancos internacionais instalados em Londres querem que a banca britânica, após a saída do Reino Unido da União Europeia, se mantenha dentro do enquadramento legal europeu durante um período de até cinco anos, e que as suas disputas legais sejam decididas pelo Tribunal Europeu de Justiça.

O documento foi produzido por firmas de advogados que estão a fazer lóbi junto do Governo britânico para obterem condições mais favoráveis para os grandes bancos internacionais. Já foi partilhado com o Tesouro britânico e é um plano detalhado das medidas importantes para o setor financeiro.

O Governo britânico está dividido no que toca a decidir se vai apoiar ou não as exigências daqueles que pedem um regime de transição, com Theresa May e o ministro para o Brexit David Davis a manterem as suas posições mais resguardadas para já.

O documento preparado pelo grupo de advogados descreve como uma saída súbita da União Europeia poderia ter um efeito muito grave na economia do Reino Unido e na da União Europeia, ao deixar os bancos sem plano para uma fase de transição. “Um acordo de transição será provavelmente essencial”, lê-se no documento. “É importante para evitar danos potenciais à ‘economia real’ que requer acesso ininterrupto a serviços financeiros”.

Há vários bancos de investimento que usam a capital inglesa como centro de operações com a União Europeia, dependendo apenas do sistema de passaporte que lhes permite afetar estas operações em toda a união, embora sejam regulados apenas no Reino Unido. Agora, vários países começam a tentar convencer os bancos com base na City a mudar-se para as suas capitais, de forma a continuarem a ter acesso ao mercado único.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bancos na City querem cinco anos de leis da UE no pós-Brexit

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião