Espanha tenta seduzir gigantes da banca com impostos baixos

  • Marta Santos Silva
  • 9 Dezembro 2016

O ministro da Economia Luis de Guindos tem-se reunido com bancos desde o JP Morgan ao Goldman Sachs para tentar beneficiar de um possível êxodo da City de Londres após o Brexit.

Espanha está de olho nos gigantes da banca com sede na City londrina e espera que, após o Brexit, bancos como o Goldman Sachs, o JP Morgan ou o Morgan Stanley possam querer mudar-se para Madrid. Para isso, o ministro da Economia Luis de Guindos tem reunido com alguns dos principais responsáveis bancários para a Europa, e estará a oferecer benefícios fiscais.

Segundo escreve o El Confidencial, as reuniões do ministro do Executivo de Mariano Rajoy têm tido lugar ao longo das últimas duas semanas e incluem os responsáveis do JP Morgan, do Morgan Stanley, do Bank of America Merrill Lynch e do Goldman Sachs, assim como do Citi, que será o mais interessado nesta altura em transladar a sua atividade londrina.

O jornal espanhol cita fontes próximas das conversações, que terão avançado que o Ministério da Economia se prepara para enviar aos executivos bancários um rascunho das medidas que propõe.

Além de benefícios fiscais, que o Governo quer que sejam competitivos com os que podem vir a ser oferecidos por outros países europeus, Madrid tem outra preocupação: há que procurar vantagens tributárias para os próprios executivos dos gigantes da banca, já que em Londres os impostos sobre o rendimento singular são muito inferiores.

É uma tendência geral em vários países europeus que tentam seduzir os potenciais exilados da City após o Brexit. “O problema é como se pode justificar isto num contexto de subida geral de impostos e corte de gastos sociais nestes países”, disse uma fonte de uma instituição financeira contactada por vários países. A justificação pode estar naquilo que Espanha tem a ganhar: poderia receber em Madrid milhares de empregados dos bancos de investimento, e tanto as instituições como os funcionários passariam a descontar em Espanha.

Não são os únicos a querer esses benefícios, porém, e a luta vai ser aguerrida. “É praticamente um leilão para ver quem consegue oferecer mais vantagens fiscais dentro do quadro regulatório europeu”, disse uma fonte de um outro banco internacional.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Espanha tenta seduzir gigantes da banca com impostos baixos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião