Brexit: May não abdica de mercado único europeu

O secretário de Estado de Theresa May responsável pelo Brexit afirmou que o Reino Unido quer permanecer no mercado único europeu. David Davis falou em contribuição para a UE como contrapartida.

O responsável pelo processo de saída do Reino Unido da União Europeia (UE), David Davis, assegurou esta quinta-feira que o Governo inglês está disposto a contribuir para a UE para ter o melhor acesso possível ao mercado único europeu. Contudo, Davis não referiu especificamente se esses contributos seriam pagamentos monetários para o orçamento anual dos Estados-membros.

O secretário de Estado do Brexit, citado pela Bloomberg, referiu que “o principal critério aqui [neste processo] é nós termos o melhor acesso possível aos bens e serviços do mercado europeu”. Foi esta a resposta de David Davis depois de confrontados pelos deputados sobre a possibilidade de o Reino Unido vir a contribuir para a UE de modo a ter acesso ao mercado único livre de tarifas.

O principal critério aqui [neste processo] é nós termos o melhor acesso possível aos bens e serviços do mercado europeu.

David Davis

Secretário de Estado para o Brexit

Essa é, aliás, uma prioridade. O Governo inglês quer garantir que as empresas britânicas consigam continuar a transacionar os bens e serviços sem impedimentos do lado da Europa. É também essa a vontade dos investidores, banqueiros, empresários e dos mercados que reagiram de forma positiva às palavras de David Davis. A libra está a entrar no mês de dezembro a valorizar 1,16% face ao dólar.

Apesar de não indicar de que forma é que esse contributo para a União Europeia pode vir a materializar-se, David Davis garantiu que o objetivo principal do seu mandato é assegurar que os deputados britânicos e os membros do Governo britânico, mais do que os políticos da União Europeia, têm a palavra final sobre como é gasto o dinheiro dos impostos dos contribuintes.

Editado por Paulo Moutinho

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Brexit: May não abdica de mercado único europeu

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião