Governo prepara nova linha de crédito para PME

A linha de crédito sucessora da PME Crescimento 2015 vai ser anunciada em breve.

O presidente do IAPMEI, Miguel Cruz, anunciou que está “em preparação a linha de crédito que vai substituir a atual PME Crescimento 2015″.

A linha vai ser “anunciada muito brevemente”, acrescentou o responsável num seminário sobre o Financiamento para as Empresas. Esta linha “procura responder às necessidades de financiamento, incluindo as soluções que não podem ser encontradas nos fundos estruturais, nomeadamente em Lisboa e Algarve”, disse.

Ao ECO, o responsável explicou que a linha vai funcionar em complementaridade com a linha, entretanto, disponibilizada pela Instituição Financeira de Desenvolvimento. Em causa estão mil milhões de euros de dotação alimentados por fundos comunitários, o que torna algumas operações impossíveis de financiar. Por isso, a nova linha de crédito vai permitir financiar as operações que caem fora do âmbito dos fundos estruturais — que de acordo com as regras comunitárias estão impedidos de financiar a atividade estrita das empresas — como fundo de maneio e operações de mais longo prazo.

Miguel Cruz, na sua intervenção na conferência organizada pela AIP, garante que “as linhas de crédito, sendo soluções de dívida, continuam a ser uma necessidade sentida pela generalidade das empresas”. E, por outro lado, “a procura dirige-se cada vez mais para a necessidade de fundos de maneio, canalizados para investimentos específicos”

O responsável não avançou montantes ou taxas de juro da nova linha de crédito. No entanto, tendo em conta que a linha será complementar à da IFD as duas deverão perfazer um montante em torno dos dois mil milhões de euros, para ser idêntica à linha atualmente em vigor.

Recorde-se que a PME Crescimento 2015 foi lançada em abril desse ano, com uma dotação global de 1.650 milhões de euros e com uma taxa de juro negociada entre as empresas e os bancos. O limite máximo corresponde à taxa Euribor (6 meses) acrescida de um spread que varia entre 2,7% para as PME líder e 4,3% para as empresas que apresentam mais riscos nas linhas de crédito comercial. Entretanto, a dotação foi reforçada para dois mil milhões de euros.

Miguel Cruz revelou ainda que, em 2015, pela primeira em Portugal, as empresas com menos de dez anos passou a ser maioritárias no tecido económico nacional, um sinal de que é necessário encontrar “formas diferentes e inovadoras de financiamento” como crowd funding, peer to peer, “interessantes para capacidade de resposta à inovação”.

Notícia atualizada às 12:54

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo prepara nova linha de crédito para PME

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião