Caixa em risco de perder 278 milhões em negócio imobiliário

  • ECO
  • 19 Dezembro 2016

A Caixa Geral de Depósitos arrisca perder cerca de 278 milhões de euros num empreendimento imobiliário de luxo na Quinta do Lago, no Algarve.

A Caixa Geral Depósitos (CGD) tem risco 278 milhões de euros na sequência de vários créditos concedidos à Birchview – Imobiliária, empresa que resultou de uma sociedade offshore apanhada no ‘caso BPN’ (Banco Português de Negócios), para a compra de terrenos e construção do empreendimento imobiliário The Keys e que entrou em Processo Especial de Revitalização (PER).

De acordo com o Correio da Manhã (acesso pago), a lista provisória de credores da Birchview – Imobiliária, publicada no Portal Citius, o banco público reclama um total de créditos e juros de aproximadamente 278 milhões de euros: 247,3 milhões de euros em capital, 26,4 milhões em juros, 2,7 milhões em comissões, 1,3 milhões em impostos e 83,5 mil euros em despesas.

Como garantia, a CGD tem uma hipoteca sobre três lotes de terreno para construção urbana na Quinta do Lago, terrenos que pertencem a três antigas sociedades offshore que foram apanhadas na investigação ao BPN: a referida Birchview, a Chapelmoor e a Bridgedown.

O crédito reclamado pela CGD representa 93% do total de 299 milhões de euros de créditos reclamados e reconhecidos a um conjunto de 39 credores.

Segunda adianta ainda aquele jornal, os investidores iniciais do empreendimento The Keys estarão a tentar convencer fundos de investimento imobiliário a negociar com a Birchview e a CGD a compra daquele projeto de luxo na Quinta do Lago, tendo colocado em cima da mesa uma proposta de 100 milhões de euros, cerca de terço dos créditos reclamados pelo banco.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Caixa em risco de perder 278 milhões em negócio imobiliário

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião