Oi vai “analisar com cuidado” proposta do multimilionário egípcio

Telecom brasileira acusou a receção de um plano alternativo de recuperação judicial da parte da Orascom TMM Investmente, do multimilionário egípcio Naguib Sawiris.

A empresa de telecomunicações brasileira Oi confirmou esta segunda-feira ter recebido uma proposta alternativa de recuperação judicial da parte da Orascom TMT Investements, do multimilionário egípcio Naguib Sawiris, e da Moelis, adiantando que vai “oportuna e cuidadosamente analisar as sugestões do tal grupo de credores”.

Segundo avançou a imprensa norte-americana no fim de semana, Sawiris está disposto a investir quase 240 milhões de euros para evitar a falência da operadora brasileira Oi. Mas no total deverão ser angariados 1,2 mil milhões de euros em capital, provenientes do Grupo Sawris e da venda pública de ações da operadora.

A proposta foi apresentada esta sexta-feira e conta com o apoio de alguns obrigacionistas. Se for aceite, a proposta prevê a canalização de 37 mil milhões de reais (cerca 10,4 mil milhões de euros) ao longo de cinco anos em investimentos para melhorar as operações, a eficiência e a qualidade dos serviços da Oi, referiu a Bloomberg. Prevê ainda a nomeação de um novo conselho de administração para a operadora.

A Oi indica que vai revelar publicamente o conteúdo da proposta: aos acionistas, ao mercado em geral e aos credores e demais stakeholders da Oi. Mas não vai, para já, manifestar-se sobre quaisquer dos pontos da proposta.

Com mais de 19 mil milhões de euros de dívidas, a Oi, onde a Pharol detém uma posição de mais de 20%, é uma das maiores operadoras do Brasil, tendo entrado em processo de falência em junho. Segundo um representante do Grupo Sawiris, há já uma equipa de 15 profissionais a trabalhar a tempo inteiro no projeto. A proposta deverá ser submetida aos administradores judiciais “em breve”.

“A Oi acredita que o resultado destas negociações deverá refletir uma proposta final de Plano de Recuperação Judicial, a ser levada para aprovação em assembleia na forma definida pela legislação, que garanta a viabilidade operacional e a sustentabilidade da companhia e que atenda credores, acionistas e demais partes interessadas, permitindo que a Oi saia mais fortalecida ao final deste processo”, sublinha a telecom brasileira.

O Grupo Sawris detém a operadora egípcia Orascom Telecom Media & Technology. A avançar, será a primeira incursão de Naguib Sawiris no mercado brasileiro das telecomunicações.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Oi vai “analisar com cuidado” proposta do multimilionário egípcio

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião