Costa: “Podemos dizer com tranquilidade que o défice fica abaixo dos 2,5%”

  • Marta Santos Silva
  • 21 Dezembro 2016

O primeiro-ministro optou por sublinhar a importância da estabilidade social e política que diz viver-se no país para o investimento externo.

António Costa confirmou esta quarta-feira que o défice português em 2016 vai mesmo cumprir a meta da Comissão Europeia, e “com conforto”. Estando o final do ano a aproximar-se, “já podemos dizer com tranquilidade e segurança que [o défice] ficará mesmo abaixo dos 2,5%”, afirmou o primeiro-ministro, que falava no Encontro da Diáspora Portuguesa.

Já em setembro, no primeiro debate quinzenal da rentrée, António Costa tinha dito que o défice ia ficar abaixo da meta de 2,5% “com conforto”, mas esta nova afirmação surge mais próxima do final do ano.

Após a promulgação do Orçamento do Estado para 2017 pelo Presidente da República no final desta tarde, António Costa mostrou-se satisfeito com a aprovação e aproveitou para sublinhar “a estabilidade política e social que vivemos”, que, afirma, é essencial para a confiança dos investidores.

Com estabilidade interna, é possível para o Governo concentrar-se “naquilo que é essencial”: aplicar o Plano Nacional de Reformas, disse António Costa.

No Encontro da Diáspora Portuguesa, o primeiro-ministro optou ainda por dirigir uma palavra a essa mesma diáspora, que considera ser “importante mobilizar”. Os portugueses e lusodescendentes pelo mundo são “excecionais canais de transmissão” das notícias acerca do estado de Portugal para os países onde se encontram, podendo ajudar a impulsionar o investimento externo e as exportações.

A necessidade de aumentar o investimento e as exportações, assim como a instabilidade externa foram alguns dos desafios que Marcelo Rebelo de Sousa optou por destacar no discurso em que anunciou a promulgação do OE2017.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Costa: “Podemos dizer com tranquilidade que o défice fica abaixo dos 2,5%”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião