Endividamento de empresas, famílias e Estado acima de 719 mil milhões de euros

  • Margarida Peixoto
  • 22 Dezembro 2016

O endividamento do setor não financeiro até recuou 500 milhões de euros em outubro. Mesmo assim, continua acima dos 719 mil milhões de euros, revela o Banco de Portugal.

Empresas, famílias e Estado acumulavam, em outubro, dívidas no valor total de mais de 719 mil milhões de euros. E este número até está ligeiramente abaixo do que tinha sido registado em setembro, revelou esta quinta-feira o Banco de Portugal.

O setor não financeiro acumula um endividamento de 719.790,9 milhões de euros, dos quais 310 mil milhões dizem respeito ao setor público e 409,8 mil milhões ao setor privado. Em setembro, o endividamento total era cerca de 500 milhões de euros mais elevado, tendo atingido os 720,3 mil milhões de euros.

Para a redução do endividamento, o setor público contribuiu com uma quebra de 400 milhões de euros e o privado com os restantes 100 milhões. No caso do setor público, explica a nota do Banco de Portugal, a redução do endividamento conseguiu-se através de uma diminuição do endividamento externo, por contrapartida do aumento do recurso às próprias administrações públicas, ao setor financeiro e aos particulares.

Já no caso do setor privado, o comportamento foi precisamente o inverso: a redução verificou-se no recurso a fontes domésticas de financiamento (bancos), por contrapartida do recurso ao endividamento externo.

Tendo em conta que só há apuramento trimestral do PIB, estes números não permitem atualizar ainda o peso do endividamento da economia não financeira no PIB. Segundo o Banco de Portugal, no terceiro trimestre esse peso era de 392,5%.

 

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Endividamento de empresas, famílias e Estado acima de 719 mil milhões de euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião