Costa aprovou salário mínimo durante o jantar do grupo parlamentar do PS

O Governo aprovou, por via eletrónica, na quinta-feira à noite o decreto que aumenta o salário mínimo nacional para 557 euros.

Afinal, sempre havia notícia no jantar de ontem à noite. No encontro de Natal do grupo parlamentar do PS, António Costa disse que não iria dar notícias aos jornalistas. Mas foi durante a refeição, entre as 21h30 e as 23h30, que o primeiro-ministro aprovou o decreto-lei que aumenta o salário mínimo para os 557 euros, a 1 de janeiro de 2017, apurou o ECO.

A votação do primeiro-ministro foi feita através do iPhone. Todos os 18 ministros votaram até às 23h30 de quinta-feira, revelou, em comunicado, a Presidência do Conselho de Ministros. Em casos de urgência ou de excecional interesse público, o Governo pode tomar decisões por via eletrónica. O Executivo entendeu que este seria um desses casos, para permitir que o diploma seja promulgado ainda em 2016 e garantir que os trabalhadores entrariam em 2017 já com o aumento salarial.

“O projeto foi votado favoravelmente por todas e todos os ministros através de meios desmaterializados tendo em conta a necessidade imperiosa de entrada em vigor do diploma a 1 de janeiro de 2017 e de respeito pela concertação social”, lê-se no comunicado.

Além disso, garantir que o aumento do salário mínimo estará em vigor a 1 de janeiro é uma forma de aliviar a pressão que a esquerda, e a CGTP em particular, está a fazer para a subida da retribuição mínima. Sobretudo, tendo em conta que o Executivo acabou por dar aos patrões uma redução da Taxa Social Única paga pelas empresas superior à sua proposta inicial.

O ECO sabe que o essencial da discussão do aumento do salário mínimo nacional tinha sido feito na quinta-feira de manhã, numa reunião presencial do Conselho de Ministros. Nessa altura, foram fixadas orientações políticas estratégicas para a negociação que teria lugar naquela tarde. Vieira da Silva tinha carta branca do Governo para negociar com os parceiros em busca daquele que lhe parecesse ser o melhor interesse público.

O decreto-lei que foi já aprovado apenas fixa o valor do salário mínimo — nada diz sobre a redução da taxa social única a cargo das empresas, para os trabalhadores que auferem retribuição mínima garantida. Esta parte do acordo será legislada mais tarde. O Governo entendeu que, sendo esta uma matéria mais técnica e sem urgência — já que as empresas só reportam em fevereiro os pagamentos à Segurança Social referentes a janeiro — seria preferível não aprovar já estes pontos.

Ao que o ECO apurou, o Executivo não tem intenção de mudar o valor dos descontos atribuídos às empresas (de 1,25 pontos na TSU), mesmo que os parceiros da esquerda se estejam a manifestar duramente contra esta medida. Tal como disse na quinta-feira o primeiro-ministro, a interpretação do Executivo é que as posições conjuntas assinadas com o BE, PCP e Os Verdes aquando da formação do Governo não estão a ser violadas.

As normas dos referidos acordos estão a ser lidas pelo Executivo como fazendo referência à primeira intenção do PS, de fazer uma descida generalizada da TSU (o chamado plafonamento vertical). Mas é um facto que os acordos estipulam que o Governo não deve incluir no seu programa descidas da TSU e até apontam para uma retirada das benesses já existentes.

A separação dos dois temas — o valor por um lado, a contrapartida da descida da TSU por outro — também faz com que os partidos da esquerda (bastam dez deputados para isso) possam requerer a apreciação parlamentar com vista à suspensão dos efeitos apenas da medida com que não concordam. Seja como for, a suspensão da medida, ou mesmo a sua alteração, tem de ser aprovada pela Assembleia da República.

Além do novo valor do salário mínimo, o decreto-lei traz uma norma nova que prevê que este diploma se passa a aplicar também à Administração Pública. Em causa está o facto de, com a subida do valor da retribuição mínima mensal garantida, esta superar agora o nível remuneratório mais baixo do vencimento dos funcionários públicos. Por isso, a partir de agora as subidas do salário mínimo passam a ser também relevantes para o setor público.

Ao que o ECO apurou, apesar de ter sido ontem anunciado um acordo de princípio, ainda há pontos da negociação em concertação social que estão em aberto. Por exemplo, está por fechar a definição da metodologia para fixar o aumento do salário mínimo para os 600 euros, em 2019 — um ponto que saltou do acordo divulgado ontem. Também estão em aberto aspetos relacionados com as leis laborais cuja formulação tem de evitar “aproveitamentos políticos” da matéria.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Costa aprovou salário mínimo durante o jantar do grupo parlamentar do PS

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião