BPI: Subida do salário mínimo vai pressionar retalhistas

Aumento do salário mínimo vai pressionar custos do Continente e Pingo Doce. Mas impacto é limitado dado que retalhistas já pagam acima do mínimo obrigatório, dizem analistas do BPI.

O aumento do salário mínimo para 557 euros a partir de 1 de janeiro vai colocar pressão adicional sobre as retalhistas como a Sonae e a Jerónimo Martins, que não saem compensadas com a redução da Taxa Social Única (TSU), assumem os analistas do BPI Equity Research.

“Este aumento do salário mínimo de 5% ou 4% se assumirmos poupanças nas contribuições para a Segurança Social vai colocar alguma pressão na base de custos das retalhistas”, explica a equipa de research do BPI. “Assumimos que todas as retalhistas em Portugal pagam acima do salário mínimo (entre 15%-20%) mas o salário mínimo continua a referência para grande parte das folhas salariais (60%-70%)”, acrescentam os analistas do BPI.

O Governo e os parceiros sociais chegaram esta quinta-feira a acordo: o salário mínimo sobe 27 euros para 557 euros, a partir de 1 de janeiro. O entendimento inclui ainda a Taxa Social Única (TSU), que irá baixar 1,25 pontos a partir de 31 de janeiro. Até essa data continua um corte de 0,75%, medida provisória, tal como esta que começa no final do mês de janeiro, apesar de não se saber quando poderá acabar.

"Este aumento do salário mínimo de 5% ou 4% se assumirmos poupanças nas contribuições para a Segurança Social vai colocar alguma pressão na base de custos das retalhistas. Assumimos que todas as retalhistas em Portugal pagam acima do salário mínimo (entre 15-20%) mas o salário mínimo continua a referência para grande parte das folhas salariais (60-70%?).”

BPI

Equity Research

O BPI espera que as retalhistas continuem a ajustar os salários com base na produtividade e que permita “a redução da diferença entre os salários mensais por empregado e salário mínimo”, demorando por isso mais do que quatro anos (2016-2019) até assumir o aumento de 95 euros do salário mínimo nesse período (dos 505 para os 600 euros).

Identifica a Sonae como principal afetada por este acordo, considerando que Portugal representa 90% do volume de vendas para a dona do Continente. Ainda assim, o facto de as retalhistas pagarem acima do salário mínimo vai limitar o impacto do aumento do salário mínimo na rentabilidade.

Como ponto positivo, os analistas adiantam que o aumento fica “claramente acima da inflação, que deverá ficar acima de 1% em 2017, devendo aumentar o rendimento disponível” das famílias.

As ações da Sonae perdem cerca de 0,5% para 87 cêntimos, enquanto a Jerónimo Martins segue inalterada nos 14,18 euros.

Nota: A informação apresentada tem por base a nota emitida pelo banco de investimento, não constituindo uma qualquer recomendação por parte do ECO. Para efeitos de decisão de investimento, o leitor deve procurar junto do banco de investimento a nota na íntegra e consultar o seu intermediário financeiro.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

BPI: Subida do salário mínimo vai pressionar retalhistas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião