Concertação Social chega a acordo: salário mínimo em 557 euros em janeiro

Governo e parceiros chegam a acordo de subida do salário mínimo em 27 euros. Taxa Social Única vai baixar 1,25 pontos percentuais a partir de 31 de janeiro.

O Governo e os parceiros sociais chegaram a acordo: o salário mínimo sobe 27 euros para 557 euros, a partir de 1 de janeiro, anunciou António Saraiva esta noite, em Lisboa, o primeiro a falar à comunicação social após a reunião da concertação social. O acordo foi concluído sem a aprovação da CGTP.

Depois da reunião entre Governo e parceiros, o acordo também chegou em matéria de Taxa Social Única (TSU), que irá baixar 1,25 pontos percentuais a partir de 31 de janeiro. Até essa data continua um corte de 0,75%, medida provisória, tal como esta que começa no final do mês de janeiro, apesar de não se saber quando poderá acabar. O texto final ainda vai ser redigido.

Segundo Vieira da Silva, a receita esperada pelo Estado com o aumento do salário mínimo passou para metade, de 80 milhões de euros para 40 milhões de euros. Apesar disso, o ministro do Trabalho ressalvou que, no máximo, as empresas pagam menos sete euros com a redução em 1,25 pontos percentuais da TSU, um número inferior ao do aumento de 27 euros que acontece já a partir do dia 1 de janeiro.

A questão dos 600 euros não ficou inscrita no documento e “foi uma forma de ultrapassar alguns constrangimentos”, explicou Carlos Silva da UGT mas, para o sindicalista ficou subentendido que este será o valor do salário mínimo em 2019. Carlos Silva explicou que a UGT “colocou reservas” relativamente à descida a TSU em 1,25 pontos percentuais — uma medida “transitória e excecional” –, “mas na súmula do documento a UGT aceita o acordo”, porque isso é mais benéfico para os trabalhadores.

O Governo voltou esta quinta-feira a discutir um acordo com os parceiros sociais por causa do salário mínimo com o objetivo de encontrar um entendimento de médio prazo. Esta foi a segunda reunião entre as duas partes, depois da primeira, na segunda-feira, na qual o Executivo formalizou a proposta para atualização do salário mínimo nacional para 557 euros a partir de janeiro, a par de uma redução de um ponto percentual na Taxa Social Única para as empresas.

Até dezembro, o salário mínimo nacional é de 530 euros. O Governo já garantiu que, em 2019, o valor deverá chegar aos 600 euros.

“O apoio às empresas com mais trabalhadores com salário mínimo é transitório (…) foi considerado pelo Governo um acordo que se justifica”, disse Vieira da Silva, em declarações aos jornalistas depois do acordo.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Concertação Social chega a acordo: salário mínimo em 557 euros em janeiro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião