Empresas portuguesas são das mais pequenas da UE

  • Lusa
  • 24 Dezembro 2016

A Pordata faz um retrato do tecido empresarial em Portugal. As empresas nacionais são das mais pequenas da Europa.

As empresas portuguesas são das mais pequenas da Europa, apresentando, em média, 3,3 pessoas ao serviço, de acordo com dados recolhidos em 23 países da União Europeia (UE) pelo portal estatístico Pordata.

Segundo dados de 2014 (os últimos disponíveis), os países que revelam uma dimensão média próxima de Portugal e inferior a quatro pessoas são a Eslováquia, Itália, República Checa e Espanha.

Alemanha, Reino Unido e Luxemburgo são os países onde as empresas apresentam uma maior dimensão média, a rondar as 10 pessoas ao serviço.

Em Portugal, as empresas da indústria transformadora são as que apresentam a maior dimensão média (9,8 pessoas) e as empresas das atividades imobiliárias são as que revelam menor dimensão média (1,6 pessoas).

Os trabalhadores por conta de outrem representam entre 70 a 96% do pessoal ao serviço nas empresas da Europa.

Em Portugal trabalhavam em 2014 nas empresas cerca de 3,4 milhões de pessoas, dos quais cerca de 80% com vínculo laboral.

Os dados da Pordata revelam ainda que Portugal tem das mais altas taxas de natalidade e mortalidade empresarial, com o país a registar a segunda taxa de mortalidade empresarial mais alta da União Europeia (15,8%), só superada pela Lituânia.

Entre os setores de atividade económica com taxas mais altas de mortalidade em Portugal estão as atividades administrativas e dos serviços de apoio, com 28,7%, a construção, com 14% e o alojamento, restauração e similares, com 13,9%.

Já em relação à taxa de natalidade das empresas, Portugal tem a quarta maior taxa, com 14,6%, numa lista liderada pela Lituânia (com 25,1%) e contrastando com a Bélgica (com 4,3%), que ocupa o último lugar da lista.

Ainda de acordo com os dados da Pordata, a maioria das empresas de elevado de crescimento portuguesas são do setor das indústrias transformadoras, do comércio e construção.

Em 2012, Portugal tinha mais de 4 mil empresas de elevado crescimento, ou seja, empresas com um aumento médio anual do volume de negócios superior a 20% ao longo dos últimos três anos.

Este é um valor que corresponde a metade do verificado em 2008, no qual existiam 8,7 mil empresas de elevado crescimento, sinaliza.

Ainda em 2012, os países da União Europeia com um número mais próximo do português eram a Eslováquia e a Letónia com, respetivamente, cinco mil e três mil empresas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Empresas portuguesas são das mais pequenas da UE

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião