Tensão na banca italiana. BCP em mínimo histórico

  • Rita Atalaia
  • 28 Dezembro 2016

Numa altura em que o setor bancário italiano continua sob pressão, o BCP está cada vez mais perto dos cêntimos. As ações do banco tocaram mínimos históricos, caindo abaixo dos 1,04 euros.

O BCP está cada vez mais próximo dos cêntimos. Os títulos do banco liderado por Nuno Amado tocaram um novo mínimo histórico, caindo abaixo da fasquia dos 1,04 euros. Isto numa altura em que a tensão na banca italiana continua a minar o sentimento dos investidores perante o setor financeiro na Europa.

As ações do BCP recuam mais de 2% para os 1,043 euros. Mas já tocaram os 1,036 euros durante a sessão, um valor que representa o mais baixo de sempre do banco liderado por Nuno Amado. E aproximam-se cada vez mais dos cêntimos, o que já não acontece desde que o BCP fundiu as suas ações.

Os títulos do banco português acompanham a tendência do setor financeiro europeu, que recua 0,21%. Dentro do setor, são os bancos italianos que mais perdem. O UBI Banca cede 1,8%, enquanto o Banca Popolare di Milano afunda 3,85%.

Ação do BCP cada vez mais próxima de valer cêntimos

Fonte: Bloomberg (Valores em euros)
Fonte: Bloomberg (Valores em euros)

Um cenário que tem marcado as sessões desde que o Monte dei Paschi pediu ajuda ao Estado depois de ter não conseguido captar o interesse dos investidores para o seu aumento de capital. Num comunicado, o banco italiano em dificuldades fez saber do pedido apresentado ao Executivo. Pier Carlo Padoan, o ministro das Finanças de Itália, confirmou esse pedido. E aceitou-o. “Esta intervenção irá garantir os rácios de capital do banco, permitindo-lhe prosseguir o seu plano de negócios.”

Os bancos italianos são fonte de preocupação, tanto devido à sua dispersão – existem cerca de 700 -, como à dimensão do crédito malparado, que está estimado em 360 mil milhões de euros, cerca de um terço do total da Zona Euro. Estes receios devem continuar a dominar o mercado e a contagiar o setor bancário europeu.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Tensão na banca italiana. BCP em mínimo histórico

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião