Financial Times: Primeiro ano de Governo de Costa “superou expectativas”

  • ECO
  • 2 Janeiro 2017

Diário britânico considera que "primeiro-ministro socialista anti-austeridade" tem superado as expectativas, deixando outros líderes europeus de centro-esquerda a sonhar com igual popularidade.

Para o Financial Times, o primeiro ano de Governo de António Costa superou as expectativas e se da oposição as palavras são de casa em chamas — Passos Coelho dixit –, “até ao momento, não houve fogo” em Portugal. “Um ano depois, Costa goza de uma opinião pública que outros líderes europeus de centro-esquerda apenas podem sonhar”, diz o diário económico britânico.

Além de oposição em Portugal, também os credores internacionais, os mercados financeiros e as agências de rating têm manifestado algum ceticismo em relação àquilo que o país pode ter de enfrentar no futuro. O FT lembra as palavras de Passos Coelho: “Estou quase certo de que haverá uma nova crise [da dívida]”.

"Costa tem indubitavelmente registado um desempenho que superou as previsões iniciais para o seu governo de minoria socialista, que depende dos votos parlamentares dos radicais Bloco de Esquerda e do rígido Partido Comunista.”

Financial Times

Os receios têm sobretudo a ver com o modesto crescimento económico e com o frágil setor financeiro, fatores que têm pressionado os juros da dívida portuguesa. Portugal deverá ter crescido 1,2%, de acordo com a previsão do Banco de Portugal, o que é “muito pouco para tornar sustentável a excessiva dívida pública de 130% do Produto Interno Bruto (PIB)”.

Apesar de todos estes potenciais obstáculos, “Costa tem indubitavelmente registado um desempenho que superou as previsões iniciais para o seu governo de minoria socialista, que depende dos votos parlamentares dos radicais Bloco de Esquerda e do rígido Partido Comunista”.

Costa já viu dois orçamentos aprovados em Bruxelas e evitou as sanções da Comissão. E deverá apresentar um défice claramente abaixo de 3% (previsões do FMI), “o mais baixo em 42 anos de democracia” e “um dos melhores resultados do Sul da Europa”, como o próprio primeiro-ministro teve oportunidade de descrever, lembra o influente diário económico britânico.

cropped-antonio_costa_ft
Costa em destaque no Financial Times (Foto: FT)

Mas há mais dados económicos que jogam a favor dele. O FT recorda que o desemprego baixou de 12,6% para perto de 10% e mais de 90 mil emprego foram criados no seu mandato. E nem mesmo a pressão da esquerda para Portugal avançar para uma reestruturação da dívida ou apertar as leis laborais tem assustado “grandes empresas internacionais, incluindo a Volkswagen, Continental e Bosch, que aumentaram o seu investimento em Portugal, ou têm planos para isso”.

Citando o economista chefe da Berenberg, Holger Schmieding, o jornal diz que Costa beneficiou com a mudança de atitude na Europa, onde muitos governos tomaram a opção de colocar menor ênfase na austeridade do que antes. “Infelizmente, esta é a forma errada para atrair investimento suficiente para colocar a economia a crescer a um ritmo próximo de Espanha“, frisou Schmieding.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Financial Times: Primeiro ano de Governo de Costa “superou expectativas”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião