Casalinho: Juros “poderão ter abandonado os seus patamares mínimos do ciclo”

Cristina Casalinho alerta, num artigo de opinião, para o elevado nível de endividamento da economia portuguesa. Diz que é preciso atuar numa altura em que "os juros terão abandonado os mínimos".

Portugal tem uma das dívidas públicas mais elevadas do mundo, em comparação com a riqueza gerada pelo país. Um rácio expressivo que tem de ser corrigido, diz Cristina Casalinho. É preciso atuar já, tirando partido de um contexto de taxas de juro baixas que, alerta a presidente do IGCP, terão “abandonado os seus patamares mínimos do ciclo”.

A dívida portuguesa é elevada – é uma das mais altas do mundo em termos de PIB. Este resultado advém de significativos níveis de endividamento público e privado”, refere a responsável pela Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública (IGCP), num artigo de opinião publicado no Jornal de Negócios.

Perante este cenário, “importa atuar em duas vertentes (naquelas em que se detém algum controlo): aumentar a poupança e acelerar o crescimento num contexto de taxas de juro reduzidas, que poderão ter abandonado os seus patamares mínimos do ciclo”, refere.

Portugal tem beneficiado do programa de compras de dívida do Banco Central Europeu, medida lançada por Mario Draghi para estimular a Zona Euro. A “bazuca” levou as taxas da dívida para mínimos, mas com os sinais de que a política monetária está a produzir efeitos, o mercado começa a incorporar o fim destas compras. E os juros da dívida nacional estão a subir. A taxa a 10 anos está cada vez mais perto dos 4%.

Para que haja uma menor pressão dos mercados sobre a dívida pública é preciso que Portugal consiga apresentar taxas de crescimento mais elevadas, que aumentem a visibilidade sobre a sua sustentabilidade. É por isso que Casalinho diz que é preciso acelerar o crescimento, algo que não tem sido fácil. Um dos fatores que travam o potencial da economia é a demografia.

“Como economias mais fortes que a portuguesa provam, torna-se difícil assegurar ritmos de crescimento sustentável superiores a 1% com taxas de natalidade reduzidas quando não compensadas por saldos migratórios positivos”, refere a responsável do IGCP.

Neste sentido, diz, “é imperioso adotar políticas de natalidade ativas a par de medidas de estímulo a saldos migratórios positivos (como a atração de imigrantes, preferencialmente com qualificações presentemente em falta no mercado nacional de trabalho)”, conclui.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Casalinho: Juros “poderão ter abandonado os seus patamares mínimos do ciclo”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião