Mercados dos EUA e UE estão altamente interligados

Obama vai-se embora, Trump vai entrar, mas há algo que fica igual: a alta interligação económica entre as duas zonas, tal como mostra o Eurostat num relatório sobre o investimento direto estrangeiro.

Os Estados Unidos da América e a União Europeia têm os mercados “altamente interligados”. A expressão é do Eurostat, o gabinete de estatística da União Europeia, e consta do relatório sobre o investimento direto estrangeiro de 2015, mas recorda a dependência económica das duas zonas numa altura em que a incerteza reina na Europa e o protecionismo de Donald Trump está prestes a acelerar do outro lado do Atlântico.

No final de 2015, os EUA absorveram 37,2% do total das ações de investimento direto estrangeiro detidas por países da União Europeia no resto do mundo, superando qualquer outro país exterior à UE. No total foram 2.561 mil milhões de euros em investimento europeu nos Estados Unidos. No total o investimento dos países europeus investiram mais 14,9% face a 2014.

O mesmo acontece no sentido inverso. Ou seja, os EUA detêm 41,7% do total das ações de investimento direto estrangeiro na União Europeia detidas por países exteriores. Em 2015 essa posição foi reforçada e atingiu os 2.436 mil milhões de euros. No total o investimento de países exterior na União Europeia aumentou 22,8%, o que significa um aumento total de 1.000 mil milhões de euros.

Fonte: Eurostat.
Fonte: Eurostat.

O ações de investimento direto estrangeiro ajudam a quantificar o impacto da globalização e a medir as ligações económicas duradouras entre países“, esclarece o Eurostat. É essa ligação entre os EUA e a UE que fica patente deste relatório, revelando a importância relativa dos dois países na economia europeia e norte-americana.

Além dos EUA, a União Europeia depende ainda da Suíça, as ilhas Bermudas, o Brasil, a China, o Canadá, a ilha de Jersey e as ilhas Caimão.

Editado por Mariana de Araújo Barbosa (mariana.barbosa@eco.pt)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Mercados dos EUA e UE estão altamente interligados

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião