Merkel não desistiu: quer dialogar com Trump

  • ECO
  • 14 Janeiro 2017

A chanceler alemã, Angela Merkel, recusou este sábado o protecionismo e garantiu que estará empenhada em dialogar com o presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump.

Merkel ainda não desistiu: quer dialogar com Trump. A chanceler alemã, Angela Merkel, defendeu este sábado que o protecionismo não é a solução para os problemas globais e apostou no diálogo com o Presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump.

“A minha convicção profunda é que no terreno da cooperação teremos mais vantagens se atuarmos em conjunto do que se cada um resolver os problemas por sua conta”, disse Angela Merkel, citada pela Lusa, sublinhando que a Alemanha quer dialogar com o futuro Presidente norte-americano.

Também o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, optou reforçar a importância do diálogo com Trump, quando telefonou ao presidente eleito dos Estados Unidos a recordar a boa relação histórica entre os dois países, no dossier base das Lajes.

Este sábado, Angela Merkel recordou que, na crise financeira global, os chefes de Estado e de Governo dos 20 países mais industrializados e emergentes do mundo acordaram “solucionar em conjunto os problemas existentes”. A chanceler falava em conferência de imprensa, na localidade de Perl, no estado de Sarre, no encerramento do congresso da CDU (União Cristã Democrata).

“A resposta para superar a crise financeira não foi uma resposta baseada no isolamento, mas sim outra baseada na cooperação, com um conjunto de normas comuns, em relação também aos mercados financeiros”, disse Angela Merkel.

Em relação a futuros encontros com Donald Trump, a chanceler alemã disse que é preciso esperar que tome posse, a 20 de janeiro, mas recordou a cimeira do G7 em maio, em Itália, e do G20 em julho, na Alemanha.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Merkel não desistiu: quer dialogar com Trump

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião