Trump causa apreensão em Wall Street

Se a reação inicial das bolsas ao discurso de Trump foi positiva, com o Nasdaq a escalar para um novo máximo histórico, agora os investidores estranham ausência de detalhes ao plano orçamental.

Donald Trump continua a causar arrepios em Wall Street. O Presidente eleito deu esta quarta-feira uma conferência de imprensa em que, apesar de preenchida por perguntas de jornalistas, não adiantou qualquer detalhe acerca do plano da próxima administração para animar a maior economia do mundo com uma baixa de impostos e um aumento dos gastos públicos em infraestruturas.

Depois de ter encerrado num máximo histórico, o tecnológico Nasdaq cedia no arranque de sessão norte-americana: perdia 0,55% para 5.529,97 pontos. Ao mesmo tempo, o índice de referência mundial S&P 500 cai 0,34% e o industrial Dow Jones recua 0,32%.

“Os índices estão a negociar em baixa com os investidores a repensarem a conferência de imprensa de ontem de Trump”, referiu Peter Cardillo, economista-chefe First Standard Financial, à Reuters. “O facto de não ter surgido qualquer referência à política orçamental está a condicionar o dólar e a causar uma atitude de precaução no mercado de ações”, acrescentou.

"Os índices estão a negociar em baixa com os investidores a repensarem a conferência de imprensa de ontem de Trump. O facto de não ter surgido qualquer referência à política orçamental está a condicionar o dólar e a causar uma atitude de precaução no mercado de ações.”

Peter Cardillo, economista-chefe

First Standard Financial

O setor farmacêutico continua na mira dos investidores, depois de Trump ter dito que os preços praticados pelo setor são elevados. Neste cenário, as ações da Pfizer cedem mais de 1% para 32,46 dólares e a Johnson&Johnson cai 0,4%.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Trump causa apreensão em Wall Street

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião