Oito mais ricos têm a mesma riqueza que metade da população mundial

Estudo da Oxfam alerta para a disparidade da distribuição da riqueza, referindo que os oito homens mais ricos do mundo têm a mesma riqueza que 3.6 mil milhões de pessoas em conjunto.

Apenas oito empresários possuem o mesmo montante de riqueza que metade da população mais pobre do mundo. A revelação é feita num estudo da Oxfam que é hoje divulgado em antecipação do Fórum Económico de Davos que reúne entre terça e sexta-feira, a elite política e empresarial do mundo.

De acordo com a confederação internacional contra a pobreza, Bill Gates (antigo patrão da Microsoft), Amancio Ortega (fundador da Inditex), Warren Buffett (maior acionista da Berkshire Hathaway), Carlos Slim (proprietário do grupo Carso), Jeff Bezos (Amazon), Mark Zuckerberg (Facebook), Larry Ellison (Oracle) e Michael Bloomberg (da agência de informação económica e financeira Bloomberg) acumulam a mesma riqueza que o total de 3,6 mil milhões de pessoas.

O estudo “Uma economia para 99%”, publicado hoje pela Oxfam, revela que o rendimento dos 10% mais pobres do mundo aumentou 3 dólares, em termos anuais, entre 1988 e 2011, ao mesmo tempo que os rendimentos dos 1% mais ricos cresceu 182 vezes, a um ritmo de 11.800 dólares por ano. A análise da confederação internacional contra a pobreza, diz ainda que desde 2015, 1% dos mais ricos possuem mais riqueza do que o resto do mundo, referindo que os novos dados disponíveis, sobretudo da China e da Índia, permitem concluir que “o gap entre ricos e pobres é muito maior do que se temia”.

De acordo com a organização, o ritmo a que os mais ricos acumulam cada vez mais riqueza poderia dar mesmo lugar ao primeiro “trilionário” do mundo no espaço de apenas 25 anos. “Com essa concentração de riqueza, esta pessoa necessitaria de gastar um milhão de dólares por dia durante 2.738 anos para gastar toda a sua fortuna”, segundo a Oxfam.

É com base nestes dados que a Oxfam pede aos líderes mundiais que se encontram em Davos nos próximos dias para fazer mais no sentido de dar um fim à disparidade.

A organização propõe que os governos aumentem os impostos tanto das grandes fortunas como dos rendimentos mais altos, que cooperem no sentido de garantir que os trabalhadores recebam um salário digno e que coloquem um travão na evasão e fraude fiscais de modo a reduzir ao mínimo os impostos sobre a população.

Além disso, a Oxfam recomenda que os governos apoiem as empresas que operam em benefício de seus trabalhadores e da sociedade e não só no interesse dos acionistas e que assegurem que as economias sirvam de forma equitativa mulheres e homens.

De acordo com a organização, as mulheres sofrem maiores níveis de discriminação no âmbito do trabalho e assumem a maior parte das funções não remuneradas, realçando que ao ritmo atual, serão necessários 170 anos para que a igualdade salarial entre homens e mulheres seja atingida.

 

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Oito mais ricos têm a mesma riqueza que metade da população mundial

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião