Lucky Strike compra Camel por 49,4 mil milhões de dólares

As empresas de tabaco responsáveis pelas marcas Lucky Strike e Camel vão unir-se. A operação vai formar uma gigante na indústria.

Uma das maiores empresas de tabaco do mundo comprou uma das suas principais concorrentes norte-americana, a Reynolds American. A operação foi realizada por 49,4 mil milhões de dólares (46,56 mil milhões de euros), avança a Bloomberg. O negócio vai formar a maior empresa de tabaco, superando a Philip Morris, a dona da Marlboro.

A British American Tobacco (BAT), empresa que detém a marca Lucky Strike, vai ter no seu portefólio também a marca de cigarros Camel, detida até então pela empresa Reynolds American. A BAT já detinha parte da empresa, mas agora tem o controlo total.

A BAT chegou-se à frente para comprar os 58% da Reynolds American, mas teve de desembolsar um grande montante: a proposta em ações e dinheiro avalia cada ação da Reynolds em 59,64 dólares, de acordo com um comunicado da BAT divulgado esta terça-feira.

Esta fusão vem consolidar a indústria de tabaco, cuja procura por cigarros tradicionais está em queda. Além disso, as novas tecnologias aplicadas a esta indústria estão a criar incertezas para as empresas com o perfil dos consumidores a mudar.

Esta aquisição da Reynolds por parte da BAT vai permitir que a empresa consolide a sua posição nos EUA, principalmente no mercado dos cigarros eletrónicos. A BAT pensa que a operação vai gerar sinergias “relativamente modestas” a nível dos custos. Mais concretamente, de cerca de 400 milhões de dólares.

A British American Tobacco tem estado numa maré de compras: em 2016 comprou a Brazilian Sousa Cruz por 2,4 mil milhões de dólares e financiou a aquisição da Lorillard por parte da Reynolds, uma forma de conquistar os 42% da empresa que agora passam a 100%.

Editado por Paulo Moutinho

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lucky Strike compra Camel por 49,4 mil milhões de dólares

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião