United bate Real nas receitas. E o Benfica?

O Football Money League tem um novo líder. O Manchester United reconquistou a liderança nas receitas do futebol europeu 11 anos depois. Bateu o Real num ranking em que os portugueses não entram.

O Manchester United reconquistou a primeira posição na Football Money League de 2017, destronando o Real Madrid que se manteve na liderança durante 11 anos consecutivos. O clube agora orientado por José Mourinho arrebatou 689 milhões de euros no ano em que as receitas dos 20 maiores da Europa atingiram recordes. Neste ranking não há clubes portugueses. Ainda assim, o Benfica é, em Portugal, o que mais encaixa.

As receitas do United somaram 689 milhões de euros, o valor mais alto registado por um clube de futebol, até ao momento, apresentando um forte crescimento nas três categorias de receitas (bilheteira, direitos de transmissão, e comerciais), comparativamente à época de 2014/15″, refere o Football Money League de 2017 da Deloitte.

As receitas de bilheteira e associadas aos direitos de transmissão do United “foram reforçadas pelo regresso do clube à Liga dos Campeões da UEFA, mas foi o crescimento de 100 milhões de euros nas receitas comerciais que permitiu o regresso do United à primeira posição deste ranking“, superando assim o Real Madrid que estava no topo há 11 anos.

tabela-deloitte

“O Manchester United teve de esperar 11 anos para reconquistar o título de maior clube do mundo em termos de geração de receitas”, diz Dan Jones, sócio da Deloitte na área de Sports Business. E “o clube terá de enfrentar dois concorrentes de peso, o FC Barcelona e o Real Madrid, se quiser manter o primeiro lugar na edição do próximo ano. Isto, devido à ausência de um futebol ao nível da Liga dos Campeões, ao enfraquecimento da libra face ao euro e, a longo prazo, ao facto de outros clubes entrarem no mercado comercial a exigirem contratos semelhantes”.

O Barcelona ficou em segundo, seguido do Real Madrid. O “Real Madrid desce para o terceiro lugar, depois de 11 anos consecutivos na liderança da Money League, apesar de ter ultrapassado pela primeira vez a barreira dos 600 milhões de euros de receitas”, nota a Deloitte. “O Bayern Munich ocupa a quarta posição e é o clube que completa o top cinco, com o Paris Saint-Germain a escorregar para o sexto lugar num ranking em que a liga inglesa é estrela.

Enquanto Barcelona e Real são os dois espanhóis, o PSG é o único clube francês na Money League, e o FC Zenit St Petersburg é o único clube russo. E portugueses? Nos 20 maiores em termos de receitas não há. A consultora diz que, da lista global, apenas consta o Benfica, que venceu na época em análise o seu tricampeonato.

O clube da Luz “ocupa o 27º lugar, com um total de receitas de 152,1 milhões de euros“, registando uma subida na classificação. Na época anterior, o clube liderado por Luís Filipe Vieira estava entre a 30ª e 40ª posição. Relativamente aos rivais dos encarnados, o Porto e o Sporting, não entram sequer no top 30. A Deloitte não aponta uma posição exata, garantido apenas se encontram entre o top 75.

Receitas recorde

Os 20 clubes de futebol com maiores ganhos do mundo geraram 7,4 mil milhões de euros de receitas na época de 2015/16, um aumento de 12% face ao ano passado, de acordo com a 20ª edição do estudo Football Money League da consultora Deloitte, com os ingleses a destacarem-se dos restantes. “A Liga Inglesa vê oito equipas no top 20 deste ano, igualando o seu próprio recorde”, diz o comunicado.

“A Money League de 2015/16 assistiu a um aumento de 12% no total das receitas dos clubes do top 20, um valor bastante superior aos 8% registados o ano passado”, refere Tim Bridge acrescenta o senior manager da Deloitte. “Esperamos que esta taxa de crescimento seja igualmente forte no próximo ano, pelo facto de os clubes da Premier League beneficiarem de um aumento das receitas promovido pelos contratos recorde de transmissão televisiva. Existe uma forte probabilidade de todos os clubes da Premier League integrarem o top 30 no próximo ano.”

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

United bate Real nas receitas. E o Benfica?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião