Espanha: Conselho de ministros aprova decreto para devolver valores indevidos das ‘cláusulas suelo’

  • ECO
  • 20 Janeiro 2017

Cláusulas abusivas devem afetar cerca de 1,5 milhões de pessoas, afirmou o ministro da Economia espanhol, Luis de Guindos.

O Conselho de Ministros espanhol aprovou um decreto-lei que prevê que os bancos devolvam aos seus clientes os valores cobrados de forma indevida através das cláusulas “suelo”, reconhecendo assim a sentença do Tribunal de Justiça da União Europeia, indica o jornal espanhol Cinco Días.

O número de pessoas afetadas deverá ascender a 1,5 milhões, indicou, no final da reunião, o ministro da Economia espanhol, Luis de Guindos. Com este decreto-lei, pretende-se “facilitar ao consumidor um procedimento rápido para poder recuperar as quantidades indevidamente cobradas”, afirmou o ministro. Ao utilizar esta lei de forma voluntária, o consumidor renuncia ao recurso aos tribunais, explicou ainda Luis de Guindos, citado pelo jornal. Este sistema extrajudicial vai ser gratuito.

Já hoje, o presidente da Associação Espanhola da Banca (AEB) tinha assegurado que os bancos vão devolver entre 2.000 e 3.000 milhões de euros em juros cobrados indevidamente em contratos hipotecários, montante que “não compromete a solvência” dessas entidades, avança a agência Lusa, através de informações dos órgãos de comunicação social espanhóis.

José Maria Roldán garante assim que o montante total fica abaixo dos 4.000 milhões de euros calculados anteriormente pelo Banco de Espanha, baseado “nas existências que havia há uns anos” e também porque alguns bancos já chegaram a acordo com os clientes.

As cláusulas ‘suelo’ impedem os clientes de crédito hipotecário de beneficiarem da diminuição das prestações bancárias pela queda das taxas Euribor a partir de determinado nível, indica a Lusa.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Espanha: Conselho de ministros aprova decreto para devolver valores indevidos das ‘cláusulas suelo’

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião