Pode haver mais um país a caminho da OPEP

  • Ana Luísa Alves
  • 23 Janeiro 2017

A OPEP conta já com treze membros, mas até ao fim do ano pode vir a ter mais um. A Guiné Equatorial manifestou o seu desejo de integrar o maior cartel de petróleo do mundo.

Pode haver mais um país a caminho da Organização dos Países Exportadores de Petróleo. A Guiné Equatorial vai integrar o cartel ainda este ano. A notícia foi avançada esta segunda-feira pelo ministro guineense da Energia.

Foi durante a reunião da OPEP em Viena, realizada na passada sexta-feira, e com o intuito de avaliar o cumprimento do acordo que determinou um corte de produção petrolífera, que o ministro guineense da Energia, Mbaga Obiang, salientou o interesse do país vir a integrar a organização, e assumir o 14º lugar no cartel.

Com uma produção de 32,5 milhões de barris por dia previstos para este ano, a OPEP é a maior produtora de petróleo do mundo. A viagem dos vários ministros da Energia até Viena acontece no seguimento da quarta Cimeira África-Arábia, que teve lugar em Malabo, capital da Guiné Equatorial, no passado mês de novembro, e que recebeu vários países-membros da OPEP.

O interesse do país em integrar o cartel é também explicado no comunicado. “Durante décadas, a Guiné Equatorial alcançou níveis recorde enquanto país dependente de petróleo enquanto fornecedor de petróleo para consumidores de todo o mundo. Acreditamos que os interesses do país estão alinhados com os da organização”.

Em dezembro a Guiné Equatorial juntou-se também aos dez países não-membros da OPEP que aceitaram reduzir a produção petrolífera em 12 mil barris de petróleo por dia durante este ano.

Com a integração da Guiné Equatorial, a OPEP passa a ter 14 países-membros: Argélia, Angola, Equador, Gabão, Irão, Iraque, Kuwait, Líbia, Nigéria, Catar, Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos, Venezuela, e, se entrar, a Guiné Equatorial.

A Guiné Equatorial foi também o último país a entrar para a Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP), fundada em 1996. Entrou em 2014 e é o segundo país a pertencer à OPEP, dentro da comunidade. O primeiro é Angola. No total integram a CPLP nove países: Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Guiné Equatorial, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Pode haver mais um país a caminho da OPEP

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião