Tem uma empresa familiar? Vai poder ir para a bolsa

A Euronext vai lançar um índice bolsista dedicado às pequenas e médias empresas, juntamente com um conjunto de iniciativas para apoiar as empresas familiares.

Tem uma empresa familiar? A partir de fevereiro vai poder recorrer ao mercado de capitais para financiar o seu negócio. A Euronext, dona da bolsa de Lisboa, vai lançar no próximo mês o Euronext Family Business Index como parte de um plano mais amplo para levar pequenas e médias empresas (PMEs) à bolsa. A iniciativa inclui roadshows com investidores e cobertura da parte de analistas.

Atualmente, são 201 os negócios familiares que estão listados no mercado da Euronext, dona da gestora do português PSI-20. Mas quer mais pequenas e médias atividades de âmbito familiar na bolsa. “Os negócios familiares representam um contributo essencial para as economias europeias e para o emprego“, referiu Anthony Attia, presidente da Euronext Paris. “Através dos seus perfis diferenciados, gestão do risco e capacidade para gerar valor acrescentado, a entrada em bolsa destas empresas familiares são bastante atrativas para os investidores”, frisou ainda num comunicado distribuído pelas redações.

"Os negócios familiares representam um contributo essencial para as economias europeias e para o emprego. Através dos seus perfis diferenciados, gestão do risco e capacidade para gerar valor acrescentado, a entrada em bolsa destas empresas familiares são bastante atrativas para os investidores.”

Anthony Attia

Presidente da Euronext Paris

Nesta fase, a Euronext Lisbon está a selecionar parceiros de diferentes áreas (jurídica, comunicação, e banca de investimento) e empresas familiares que pretendam fazer parte desta iniciativa que visa dar formação a empresas que tenham a intenção, no futuro, de vir a integrar o mercado de capitais.

cropped-euronex_bloomberg
Tem um pequeno negócio que herdou dos seus pais? Vai poder levá-lo para a bolsa.

Além do índice Euronext Family Business, será lançado no dia 21 de fevereiro e vai englobar empresas dos quatro países cobertos pela Euronext, a operadora da bolsa vai ainda prestar apoio e assistência aos pequenos empresários que pretendam colocar os seus negócios no mercado de capitais. A iniciativa inclui roadshows em toda a Europa para encontros com os investidores, cobertura financeira através de um programa da Morninstar e uma secção exclusiva no site da Euronext.

Há mais de 14 milhões de empresas familiares no Velho Continente, representando 60% do total de empresas na região. A nível mundial, os negócios familiares representam 66% do total das empresas, gerando cerca de 70% da riqueza global produzida por ano, segundo um estudo da KPMG.

“Na Euronext, as novas iniciativas e esforços para melhorar o perfil das ações de empresas familiares estão desenhados para mostrar como a bolsa pode ajudar estas empresas a crescer e prosperar — com mais e além do financiamento”, disse Attia.

O Euronext Family Business Index terá 90 empresas familiares, desde grandes empresas a PMEs nos quatro países cobertos pela Euronext.

As duas centenas de empresas familiares que estão já no mercado de capitais promovido pela Euronext têm uma capitalização bolsista de 745 mil milhões de euros. Estão incluídas 158 pequenas e médias empresas com um valor de mercado de 43 mil milhões de euros.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Tem uma empresa familiar? Vai poder ir para a bolsa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião