Schulz vai ser rival de Merkel para liderar a Alemanha

  • Juliana Nogueira Santos
  • 24 Janeiro 2017

Após o atual líder do SPD ter renunciado à nomeação, o nome do ex-presidente do Parlamento Europeu é o apontado para a chancelaria alemã.

Martin Schulz vai ser o rival de Angela Merkel nas próximas eleições de dia 24 de setembro. A notícia chega depois do líder do partido social-democrata alemão, Sigmar Gabriel, ter afirmado, em entrevista, que não iria ser candidato e de ter apontado o nome do ex-presidente do Parlamento Europeu para o substituir.

Gabriel, atual vice-chanceler e ministro da Economia do governo de coligação, terá sido influenciado pela maior popularidade de Schulz entre os simpatizantes social-democratas, nomeadamente os mais jovens. Em entrevista à revista Stern, este afirmou que a sua campanha iria falhar e que Schulz tem “claramente melhores perspetivas eleitorais” contra Merkel.

Ao renunciar ao cargo de líder do SPD, Sigmar Gabriel deixará também a pasta da Economia — que passará para as mãos da ministra-adjunta, Brigitte Zypries — para assumir o ministério dos Negócios Estrangeiros — sendo que o atual ministro, Frank-Walter Steinmeier, será empossado presidente da república.

Schulz, que tem dedicado as últimas duas décadas à política europeia, deixou o seu cargo no Parlamento Europeu no passado dia 17, tendo sido substituído por Antonio Tajani. Terá oito meses para convencer os alemães que será uma alternativa válida a Angela Merkel, que ocupa a posição de chanceler há já três mandatos.

Este ainda não expressou nenhuma posição oficial sobre o assunto. O seu último tweet é, curiosamente, um agradecimento a Marcelo Rebelo de Sousa por o ter condecorado com a Grã-Cruz da Ordem da Liberdade, escrito em português.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Schulz vai ser rival de Merkel para liderar a Alemanha

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião