Berlim: Merkel diz que “foi um ataque terrorista”

A chanceler alemã condenou o ataque que, apesar de não existir certezas, diz ter sido um atentado. Merkel disse ainda ser particularmente repugnante se o atacante for um refugiado.

O ministro do Interior alemão, Thomas de Maizière, referiu-se ao ataque como um “atentado”, mas Angela Merkel foi mais cautelosa: “Com base nas evidências atuais nós temos de assumir que isto foi um ataque terrorista”, afirmou numa conferência de imprensa esta terça-feira de manhã. A chanceler alemã garantiu que as autoridades estão a trabalhar para descobrir se o atropelamento com um camião, esta segunda-feira, a um mercado de natal se tratou de um atentado.

Na conferência de imprensa, dada pela televisão, em Berlim, esta terça-feira, Merkel pediu cautela uma vez que “ainda existe muita informação desta ação que precisa da certeza necessária” para fazer se retirar mais conclusões. “Mas com base nas evidências atuais nós temos de assumir que isto foi um ataque terrorista”, afirmou a chanceler alemã.

Angela Merkel fez uma declaração curta na conferência de imprensa, mas deixou um aviso particularmente marcante: Merkel disse que será particularmente repugnante se o atacante tiver sido um refugiado, ou seja, alguém que recebeu proteção da Alemanha.

De madrugada, a Lusa avançou que, de acordo com informação das forças de segurança, no Twitter, 48 pessoas, algumas das quais com ferimentos muito graves, foram transportadas para hospitais. 12 pessoas morreram no atropelamento. O incidente ocorreu às 20h15 locais (19h15 em Lisboa) na praça Breitscheidplatz, quando um veículo pesado saiu da estrada e entrou na zona pedonal do mercado de Natal. As autoridades alemãs já revelaram esta terça-feira de manhã que o ataque foi intencional.

O condutor do camião que atropelou, na segunda-feira, dezenas de pessoas num mercado de Natal em Berlim, e que provocou 12 mortos, entrou na Alemanha como refugiado, sendo provavelmente de origem paquistanesa, referiu o jornal Die Welt, escreve a Lusa. O jornal, que cita fontes da investigação, escreve que o suspeito entrou na Alemanha como requerente de asilo, em fevereiro deste ano.

Editado por Paulo Moutinho

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Berlim: Merkel diz que “foi um ataque terrorista”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião