Faria de Oliveira: CGD em Espanha era “lógico”. Problema foi a crise

  • Rita Atalaia
  • 24 Janeiro 2017

O antigo presidente da CGD diz que o projeto da Caixa em Espanha era "consistente, racional e lógico". Faria de Oliveira justifica os problemas na banca com a crise imobiliária espanhola.

Fernando Faria de Oliveira volta a defender o projeto da Caixa Geral de Depósitos (CGD) em Espanha. Foi um plano “consistente, racional e lógico”, explica o agora presidente da Associação Portuguesa de Bancos, que esteve à frente do Banco Caixa Geral (BCG), em Espanha, e liderou depois a Caixa entre 2008 e 2013.

Na comissão de inquérito à gestão da CGD, Faria de Oliveira, que esteve à frente o BCG antes de ser presidente da Caixa, explica que o plano em Espanha tinha “toda a consistência, racionalidade e lógica”. A entrada no país vizinho aconteceu numa fase de internacionalização da CGD para Espanha, Brasil e Angola. Mas Faria de Oliveira explica que o mercado espanhol era diferentes dos outros projetos da CGD, por ser o mais importante para Portugal. Por isso “era estratégico ter uma presença da banca portuguesa em Espanha”.

"O projeto correu o melhor possível entre 2005 e 2007 [quando esteve à frente do Banco Caixa Geral em Espanha]. Atingiu-se o breakeven no fim do primeiro ano e o banco teve resultados positivos até ao final de 2010”

Fernando Faria de Oliveira, presidente da Associação Portuguesa de Bancos

Faria de Oliveira já tinha dito que considerava haver “racionalidade” na operação da CGD em Espanha. O agora presidente da Associação Portuguesa de Bancos disse que havia um “sentido estratégico” na expansão do grupo para o país vizinho. O engenheiro refere que o “projeto correu o melhor possível entre 2005 e 2007 [quando esteve à frente do BCG]. Atingiu-se o breakeven no fim do primeiro ano e o banco teve resultados positivos até ao final de 2010″.

Então o que é que aconteceu? “Aconteceu a bolha imobiliária em Espanha, que rebentou e criou-se uma situação deliciada com a queda do PIB em Espanha. Tivemos de refrear todo o projeto de crescimento do banco no sentido de evitar que a situação se agravasse ao longo do tempo.”

Faria de Oliveira

Portanto, Faria de Oliveira defende que a grande culpada destes problemas em Espanha — e em Portugal — foi a crise económica. “O legado da crise económica e financeira que, reforço, foi a razão de ser da maior parte das dificuldades vividas pelo sistema bancário português, deixou mazelas que a banca tem ainda de acabar de resolver”, explica o ex-presidente da Caixa aos deputados.

A questão de Espanha também foi levantada aquando da comissão de inquérito onde esteve presente o antigo presidente da Caixa Carlos Santos Ferreira. O ex-presidente esteve à frente da CGD quando foram tomadas várias decisões polémicas de investimento e financiamento. Decisões que podem levar a Caixa a perder mais de 900 milhões de euros. Um desses investimentos foi feito no capital da La Seda, empresa petroquímica espanhola. O antigo presidente do banco do Estado terá questionado “alguém de responsabilidade” qual a sua finalidade.

Crise é grande responsável pela situação da banca

Faria de Oliveira relembra que o primeiro e principal responsável pela atual situação do setor bancário foi o “violento e prolongado período recessivo por que passámos desde o pedido de ajuda externa, com o PIB a cair mais de 7% só entre 2010 e 2013″. E acrescenta: “Todos sabemos que a banca reflete sempre o estado da economia”.

Uma crise que provocou um aumento acentuado da taxa de crédito malparado das empresas aos bancos, nota, que é hoje oito vezes superior à existente em 2008. E o mandato de Faria de Oliveira foi marcado por esta mesma crise. “De facto, 2008 será recordado como aquele ano em que se desenvolveu um dos mais graves períodos da crise financeira e económica à escala mundial”.

E “todo o contexto em que se exercia a atividade bancária sofreu mudanças profundas a partir desse ano, acabando por dar lugar a todo um novo paradigma em termos regulatórios, de supervisão, tecnológicos, comportamentais e de modelo de negócio”.

(Notícia atualizada às 17h00 com mais declarações de Faria de Oliveira)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Faria de Oliveira: CGD em Espanha era “lógico”. Problema foi a crise

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião