Millennials (ainda) veem pirataria e não se arrependem

  • Juliana Nogueira Santos
  • 25 Janeiro 2017

Se pensa que as novas plataformas de streaming vieram mudar os hábitos dos millennials pensa mal. Os millennials continuam ver pirataria e não se sentem culpados, só mudaram a forma como veem.

Se é certo que os hábitos de consumo de entretenimento têm mudado nos últimos anos, há certas coisas que parecem não mudar: mais de metade dos millennials continuam a ver conteúdo pirateado e, desses, cerca de um terço veem esse tipo de conteúdos pelo menos uma vez por mês.

As conclusões são de um estudo feito pela agência de segurança digital Irdeto citado pela eMarketer, no qual também se pode ler que estes não se sentem — de todo — culpados por isso. Assim, 44% dos que veem pirataria dizem que o facto de os produtores de conteúdo perderem dinheiro com esta prática não os demove.

E isto vai ainda mais longe: dos inquiridos, 10% com idades entre 18 e 24 e 14% com idades entre 25 e 34 dizem que a perda de dinheiro das grandes empresas de entretenimento é um dos grandes motivos pelos quais continuam esta prática. Estas são conclusões surpreendentes numa altura em que as alternativas à pirataria são cada vez mais.

Ainda assim, estes dados não são novos, na medida em que vários outros estudos relativos à mesma geração mostraram um panorama muito parecido. A agência Anatomy Media desenvolveu um estudo em meados do ano passado, que apresentou níveis de pirataria ainda mais altos, com 69% dos adultos dos 18 aos 24 anos a verem conteúdo pirateado.

A única mudança significativa que se observa tem a ver com a maneira como os millennials têm acesso aos conteúdos.

Preferências dos millennials relativamente à maneira de aceder a conteúdo pirateado (julho de 2016)

millenials-01

Enquanto, na década de 2000, quem queria ver um filme ou ouvir uma música transferiam os ficheiros através de torrents, hoje em dia a maioria prefere ter acesso a partir de streams, quer sejam elas em computadores ou em dispositivos móveis. A justificação prende-se com o facto de estes acharem que esta é uma forma menos errada de “piratearem”, visto que não estão a fazer uma transferência concreta para os seus aparelhos.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Millennials (ainda) veem pirataria e não se arrependem

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião