PS propõe que sejam bancos a pagar imposto de selo nas operações com cartão

  • Lusa
  • 28 Janeiro 2017

Grupo parlamentar do partido vai apresentar uma proposta para que sejam os bancos os responsáveis pelo custo do imposto de selo nos pagamentos com cartões, e não o comércio e a restauração.

O PS vai apresentar uma proposta para que sejam os bancos os responsáveis pelo custo do imposto de selo nos pagamentos com cartões, e não o comércio e a restauração, anunciou hoje o grupo parlamentar.

O objetivo da proposta é “desonerar comércio e restauração na utilização dos meios eletrónicos de pagamento“, refere a informação divulgada.

O grupo parlamentar do PS avança que vai entregar na Assembleia da República um projeto de lei para clarificar quem deve assumir o pagamento do imposto de selo das operações de pagamento baseadas em cartões, “introduzindo mais justiça na distribuição dos encargos com os meios eletrónicos de pagamento”.

Para os socialistas, as empresas já pagam uma comissão à operadora para disponibilizarem os meios eletrónicos de pagamento, não devendo ser reforçados os obstáculos à utilização deste meios mas sim incentivada a sua utilização.

Por isso, a bancada socialista considera que “deve ser o setor bancário a assumir esse custo, libertando as empresas do comércio e restauração de um custo que, como se compreende, nunca fora uma intenção do legislador”.

Os operadores do sistema financeiro refugiaram-se na redação algo aberta do artigo 3.º, n.º 3, alínea g), do Código do Imposto do Selo para passarem para o setor empresarial um imposto cujo encargo, lhes seria, em condições normais, imputável”, explica o vice-presidente do grupo parlamentar socialista, Carlos Pereira, citado na informação.

O deputado defende ser “fundamental clarificar esta questão de modo a libertar o setor empresarial, em particular a restauração e o comércio, deste esforço que deve ser assumido pelas entidades gestoras financeiras”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PS propõe que sejam bancos a pagar imposto de selo nas operações com cartão

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião