Maior banco italiano regista prejuízos de 11 mil milhões em 2016

O UniCredit não se salvou a um ano complicado para a banca italiana: os custos de reestruturação do banco ultrapassaram as estimativas. O maior banco italiano registou prejuízos de 11,8 mil milhões.

2016 foi um ano negro para a banca italiana: o resgate do Monte dei Paschi vai custar 6,6 mil milhões de euros ao país e esta segunda-feira ficou a saber-se que o maior banco de Itália registou prejuízos de 11,8 mil milhões de euros no ano passado. O UniCredit divulgou hoje os resultados e justificou-os com despesas extraordinárias maiores do que o previsto, explica a Bloomberg.

Apesar de ter colocado dinheiro à parte para lidar com o crédito malparado e despesas extraordinárias feitas no âmbito do plano de recuperação do banco, o banco com sede em Milão gastou mais mil milhões de euros, somados aos 12,2 mil milhões de euros anunciados a 13 de dezembro.

Em causa está, por exemplo, uma maior contribuição que o UniCredit fez para o Fundo de Resolução Nacional italiano. Com o anúncio dos prejuízos, as ações do maior banco italiano caíram 5,5% para os 26,2 euros por título, segundo a Bloomberg.

Porém, estes não são os resultados finais do banco relativos a 2016. Esse relatório será revelado a 9 de fevereiro. Até ao final do próximo mês, o UniCredit terá ainda de fazer um update no seu plano para lidar com o crédito malparado, uma obrigação do Banco Central Europeu.

No quarto trimestre de 2016, o banco falhou um dos requisitos do BCE relativo numa das medidas de solidez financeira (o rácio de capital common equity Tier 1). O desafio será diminuir o risco durante este ano conforme pedido por Mario Draghi.

Prevê-se que o banco faça o aumento de capital de 13 mil milhões de euros a 6 de fevereiro, uma vez que o conselho de administração do UniCredit reúne-se esta quarta-feira. O valor de mercado estimado do UniCredit é de 16,5 mil milhões de euros.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Maior banco italiano regista prejuízos de 11 mil milhões em 2016

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião