Banco de Portugal e CMVM querem ser ouvidos pelo Tribunal da Relação sobre sigilo profissional

  • Margarida Peixoto
  • 2 Fevereiro 2017

O Banco de Portugal e a CMVM querem ser ouvidos pelo Tribunal da Relação, na sequência da sentença dos juízes que levanta o sigilo profissional da instituição sobre os documentos pedidos pela AR.

O Banco de Portugal e a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) querem ser ouvidos pelo Tribunal da Relação de Lisboa, na sequência da decisão dos juízes que obriga a instituição a prestar toda a informação pedida pela comissão de inquérito à Caixa Geral de Depósitos, à exceção da correspondência trocada.

A CMVM não foi ouvida pelo Tribunal da Relação de Lisboa antes de proferida a referida decisão, que reveste especial significado e importância no quadro da regulação e da supervisão do sistema financeiro, nomeadamente por se tratar da primeira decisão dos tribunais nacionais sobre o tema do segredo de supervisão perante as comissões parlamentares de inquérito, pelo que, nesta data, solicitou ao Tribunal que lhe seja reconhecido o direito de ser ouvida no processo”, lê-se num comunicado, publicado esta quinta-feira.

O Banco de Portugal divulgou, à mesma hora, um comunicado idêntico, evocando precisamente os mesmos argumentos.

Também a Caixa Geral de Depósitos recusou, por enquanto, enviar mais documentação aos deputados da Assembleia da República. Tal como foi noticiado esta manhã, a instituição financeira vai pedir a nulidade da decisão.

Em causa está uma decisão da Relação que levanta o sigilo bancário e profissional da documentação pedida pelos deputados da comissão parlamentar de inquérito à Caixa, CMVM e Banco de Portugal, exceto a correspondência trocada entre as instituições. Os juízes avaliaram os diferentes valores em confronto: por um lado, a importância do segredo de supervisão, bancário e profissional e, por outro a importância do apuramento das responsabilidades pela necessidade de recapitalização do banco público.

Tendo em conta o objeto da comissão parlamentar de inquérito, o Tribunal considerou que o apuramento da verdade sobre as necessidades de recapitalização da Caixa é um valor que se impõe e que, sem os dados solicitados, se tornará impossível responder a tal objetivo.

Se a decisão dos juízes não for contestada, deverão ser entregues aos deputados documentos como a lista dos maiores devedores à Caixa, os dossiers de avaliação que fundamentaram a decisão de conceder os empréstimos e os respetivos decisores.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Banco de Portugal e CMVM querem ser ouvidos pelo Tribunal da Relação sobre sigilo profissional

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião