Porque é que os mercados não veem o mesmo que António Costa?

  • Margarida Peixoto
  • 3 Fevereiro 2017

O que diz o boletim meteorológico da economia portuguesa? O Governo antecipa dias de sol. Mas os mercados avisam que a chuva vai demorar a passar.

costa-jardineiro

O primeiro-ministro António Costa vê Portugal cheio de sol: a economia acelera, o défice encolhe e o desemprego baixa. Mas os investidores em dívida pública continuam a ver um país invernoso: dizem-nos que as chuvas estão aí para ficar e desde o final do verão de 2015 que nos pedem juros cada vez mais altos. Alguém está a ver o boletim meteorológico errado.

O PIB deve fechar 2016 acima de 1,2%, aquela que era a última previsão do Governo. O défice deve ficar abaixo de 2,3%, ou seja, há fortes possibilidades de se cumprir a meta de fevereiro, de 2,2%, superando de forma clara os 2,5% impostos pela Comissão Europeia. E o mercado de trabalho continua a melhorar, com a taxa de desemprego a cair e os níveis de emprego a subir. Muitos economistas têm vindo a avisar que esta tendência pode não ser sustentável mas, por enquanto, ainda não se inverteu.

Apesar disto, os juros da dívida pública continuam acima de 4%. Aliás, desde o início do ano que estão acima de 3,7%. Num país em que a dívida bruta supera os 130% do PIB, este é um claro convite à cautela. Tal como foram as declarações de Klaus Regling, presidente do Mecanismo de Estabilidade Europeu, que avisou que “os mercados estão nervosos com Portugal”. Ou de Jeroen Dijsselbloem, o presidente do Eurogrupo, que frisou “a necessidade de Portugal avançar com a sua agenda de reformas e avançar com novas medidas para fortalecer os bancos”.

Esta sexta-feira, a Fitch prepara-se para avaliar a economia portuguesa depois de, na semana passada, ter reconhecido progressos, mas frisado insuficiências. Afinal, em que ficamos? É melhor levar a gabardina, ou os óculos de sol?

Um lugar ao sol

Nas últimas semanas, o Governo tem dispensado o guarda-chuva. “Portugal está a acelerar o seu ritmo de crescimento e no terceiro trimestre do ano passado teve o ritmo mais alto de toda a União Europeia”, disse o primeiro-ministro, esta terça-feira, na cerimónia de inauguração da nova sede do Santander, em Lisboa. E garantiu que o sol não tinha sido de pouca dura: os dados disponíveis permitem antever que o quarto trimestre de 2016 “não só tenha consolidado, mas até acelerado um pouco o que eram os dados do terceiro trimestre”, antecipou.

O terceiro trimestre de 2016 registou, de facto, um andamento surpreendente do PIB: a economia portuguesa cresceu 0,8%, o valor mais elevado da zona euro. Só com este número, a meta de 1,2% para o crescimento anual — fixada em outubro pelo Governo — estava praticamente garantida. Mas ao que o ECO apurou, a equipa do Ministério das Finanças já está a trabalhar com um valor entre os 1,3% e 1,4% para o crescimento do PIB do ano passado.

PIB surpreende no terceiro trimestre

Fonte: INE (Valores em percentagem)
Fonte: INE (Valores em percentagem)

Mas não é só a atividade económica que traz bons augúrios. Segundo António Costa, “as empresas estão a investir” e “os dados do emprego são claríssimos”, indicando uma melhoria. O Instituto Nacional de Estatística dá conta de uma taxa de desemprego de 10,5% em novembro e antecipa uma nova redução para dezembro: a estimativa é fechar o ano com 10,2%. Olhando para os valores do arranque de 2016, verifica-se uma redução consistente — em janeiro, a taxa era de 12,4%.

Mais: a redução do défice está a acontecer. O primeiro-ministro tem repetido que 2016 ficará marcado como o ano em que Portugal obteve o défice mais baixo da democracia portuguesa. E tanto António Costa como o ministro das Finanças, Mário Centeno, já prometeram que a Comissão Europeia retirará o país do procedimento por défices excessivos este ano.

Fonte: INE
Fonte: INE

Costa disse na Assembleia da República que o défice “não será superior a 2,3%”. Ao que o ECO apurou, a equipa das Finanças aponta para um défice de 2,2% — tal como, aliás, o ministro Mário Centeno já tinha deixado antever numa entrevista à Reuters, no início de janeiro.

O Governo mantém ainda um debate com a Comissão Europeia sobre o valor das medidas extraordinárias usadas em 2016. A diferença entre os números de Bruxelas e os do Governo é grande, mas mesmo que os peritos da Comissão não atendam a nenhum dos argumentos do Executivo nacional, os dados mais recentes apontavam para um valor abaixo dos 2,7%, aquela que tinha sido a última previsão de Bruxelas, apurou o ECO. A estimativa oficial da Comissão será revelada em meados do mês, com o Winter Economic Forecast.

Cuidado com as trombas de água

“Não vejo inconsistência nos dados”, defende João Loureiro, economista e professor na Universidade do Minho, em declarações ao ECO. “Nos últimos 15 anos, os valores de crescimento do PIB não passaram da casa de 1%”, nota, ressalvando uma ou outra exceção. Ou seja: é verdade que crescer acima de 1,2%, a meta mais recente, é um bom dado. Mas se o valor for colocado em perspetiva perde força: a meta inicial era crescer 1,8% e desde 2007 que a economia não cresce acima de 2%.

O mesmo acontece com os números do défice: são positivos, será histórica se se confirmar a saída do PDE. Mas o número inspira ainda pouca confiança, argumenta o economista. “Faltam as medidas estruturais”, diz o professor, lembrando que há variáveis cujos valores são insustentáveis no médio e longo prazo, como é o caso dos níveis de investimento público.

Investimento público em mínimos

Investimento em % do PIB. Fonte: INE
Investimento em % do PIB. Fonte: INE

Ou seja, o défice encolheu, tal como tinha sido prometido pelo Executivo. Mas a composição do esforço realizado é diferente do que tinha sido planeado. Para não furar as metas Centeno foi encontrando soluções, tais como a transformação de cativações em cortes permanentes de despesa, o travão no investimento ou o Programa Especial de Redução do Endividamento ao Estado (PERES).

Quando este programa foi lançado, o Executivo recusou que tivesse como objetivo melhorar o número do défice. Mas a verdade é que representa quase três décimas do PIB e que sem esta ajuda a meta de 2,4% provavelmente não seria cumprida.

Medidas difíceis de manter ou de repetir

2017fev2_pib-e-cenas2-02
Fonte: DGO e CFP

Também no caso do mercado de trabalho, embora as melhorias sejam evidentes, João Loureiro sublinha que o emprego está a ser criado “em atividades com pouco valor acrescentado, o que se nota pela correlação limitada do aumento do emprego com a subida do PIB”.

Em que ficamos?

Governo e investidores estão a olhar para o mesmo país — mas estão a avaliar a economia em tempos diferentes. Enquanto o Executivo está a ver as pequenas melhorias dos dados nos últimos 12 meses, os investidores estão a olhar para o que o passado recente diz sobre o futuro de Portugal.

Estão a ver, por exemplo, que a República acumula uma dívida de 241,1 mil milhões de euros — o equivalente a mais de 130% do PIB. E que, mesmo líquida de depósitos, se aproxima dos 121% do PIB.

Dívida pública acima dos 240 mil milhões

2017fev01_divida-01
Valores em milhares de milhões de euros. Fonte: Banco de Portugal

Ao mesmo tempo, estão a antecipar uma retirada progressiva dos estímulos do Banco Central Europeu — os mesmos que a partir de 2012 permitiram que os juros das Obrigações do Tesouro portuguesas descessem, mesmo quando a economia ainda se afundava na recessão.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Porque é que os mercados não veem o mesmo que António Costa?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião