Presidente dos EUA assegura que bloqueio judicial “é ridículo” e será anulado

  • Lusa
  • 4 Fevereiro 2017

Um juiz federal de Seattle ordenou a suspensão temporária da proibição de entrada de pessoas de sete países de maioria muçulmana. Trump diz que bloqueio judicial é "ridículo" e que será anulado.

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, considerou ridícula a decisão de um juiz federal de bloquear o seu decreto migratório que visa a proibição de entrada de pessoas de sete países de maioria muçulmana e vai anulá-la.

“A opinião deste assim chamado juiz, que basicamente priva o nosso país da sua polícia, é ridícula e será anulada”, disse o novo Presidente norte-americano, numa série de ‘tweets’ na rede social Twitter durante a manhã.

Um juiz federal de Seattle, Estados Unidos, ordenou na sexta-feira a suspensão temporária, a nível nacional, da proibição de entrada de pessoas de sete países de maioria muçulmana, decretada pelo Presidente Donald Trump.

A ordem temporária do juiz James Robart vai manter-se válida em todo o país até ser efetuada uma revisão completa da queixa apresentada pelo procurador-geral de Washington, Bob Ferguson. Em três mensagens na rede social “Twitter”, Trump reagiu à decisão de um juiz de suspender na sexta-feira a lei imposta a 27 de janeiro, uma decisão que obrigou o Governo a comunicar às transportadoras aéreas que estas já podem aceitar de novo todos os passageiros.

“Quando um país não é capaz de dizer quem pode e quem não pode entrar e sair, especialmente por razões de segurança, é um grande problema”, escreveu Trump.

Trump também afirmou que “certos países do Médio Oriente”, os quais não identificou, “estão de acordo com o veto”, porque “sabem que se se permite a entrada a certas pessoas haverá morte e destruição”.

A Casa Branca anunciou que os seus advogados vão apresentar “o mais cedo possível” um recurso da decisão do juiz a fim de restaurar o veto que, na sua opinião, é “legal” e “apropriado”.

“A ordem (executiva) tem como objetivo proteger o país e o Presidente tem o dever constitucional e a responsabilidade de fazê-lo”, indicou a Casa Branca, em comunicado.

O bloqueio é o primeiro golpe para o Governo de Trump e uma vitória politica para os democratas, cujos procuradores-gerais nos estados de Washington e Minnesota haviam interposto.

Juízes federais de vários outros estados norte-americanos agiram contra a ordem executiva de Trump desde que entrou em vigor na passada sexta-feira, mas a decisão de Robart é aquela com maior alcance até agora.

A decisão surgiu depois de Ferguson ter apresentado uma ação legal para invalidar disposições essenciais da ordem executiva de Trump, que afasta refugiados sírios indefinidamente e bloqueia cidadãos do Irão, Iraque, Líbia, Somália, Sudão, Síria e Iémen de entrarem nos Estados Unidos por 90 dias. Refugiados de outros países que não a Síria ficam impedidos de entrar por 120 dias.

“A Constituição prevaleceu hoje. Ninguém está acima da lei, nem sequer o Presidente”, afirmou Ferguson.

Bob Ferguson argumentou, na sua queixa, que a ordem do Presidente viola os direitos constitucionais dos imigrantes e das suas famílias, já que visa especificamente muçulmanos.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Presidente dos EUA assegura que bloqueio judicial “é ridículo” e será anulado

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião