BCP afunda 10%. Vêm aí 14 mil milhões de novas ações

Ações do BCP corrigem após valorizações acentuadas nas últimas sessões, a dias de o banco lançar 14 mil milhões de novas ações na bolsa. A aversão ao risco atinge bolsa nacional e banca europeia.

As ações do BCP estão a afundar esta terça-feira mais de 10%, num dia de forte aversão ao risco no mercado acionista nacional. A bolsa portuguesa é a única a registar perdas entre os principais índices europeus. Também a banca do Velho Continente segue hoje sob pressão.

No caso do maior banco privado português, as ações cedem 11,07% para os 0,1542 euros, a dois dias de a instituição liderada por Nuno Amado lançar na bolsa mais 14 mil milhões de novos títulos na sequência do aumento de capital no valor de 1.300 milhões de euros. É já na quinta-feira que se inicia a transação das novas ações do BCP.

O BCP concluiu com sucesso a operação de reforço de capital que vai permitir o reembolso antecipado da ajuda do Estado e ainda cimentar os rácios de força financeira. Os acionistas de referência marcaram presença, caso dos recém-chegados chineses da Fosun, do grupo EDP e do fundo BlackRock, o que permitiu ao banco dispensar a tomada firme do sindicato bancário que preparou o aumento de capital.

A confiança depositada pelos acionistas levou o BCP a valorizar esta segunda-feira para perto de máximos deste ano, estando o banco a apresentar esta terça-feira uma correção acentuada numa sessão que apresenta um volume de negociação bastante expressivo: já trocaram de mãos mais de 30 milhões de papéis em cerca de quatro horas de negociação, acima da média diária de 26 milhões observada nos últimos 12 meses.

“O BCP está a corrigir os ganhos das últimas sessões”, refere Eduardo Silva, gestor de ativos da XTB Portugal. “O sentimento de risk off na Europa com incidência sobre o setor da banca é evidente, depois de dois dias de fortes subidas, o BCP está a ceder parte dos ganhos e acompanha o setor com uma desvalorização acentuada. A volatilidade é ainda mais forte em Itália onde o risco político e a pressão sobre o setor da banca têm estado em foco”, acrescentou.

Neste momento, a aversão ao risco é geral na bolsa portuguesa. E também na banca europeia. O PSI-20, o principal índice português, cai 0,95% 4.550,72 pontos, pressionado ainda pela Galp (-0,43%) e pelos CTT (-1,3%). No panorama europeu, o BNP Paribas perdia mais 3,5% e o Société Générale e o Bankinter perdiam ambos mais de 2%.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BCP afunda 10%. Vêm aí 14 mil milhões de novas ações

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião